Felipão quer retomar espírito da Copa das Confederações

Para comandante da seleção, falta ao grupo resgatar o modelo tático e o comportamento que teve nos jogos da Copa das Confederações

iG Minas Gerais | AGÊNCIA ESTADO |

Felipão anuncia lista de convocados para a Copa do Mundo de 2014
CBF/Divulgação
Felipão anuncia lista de convocados para a Copa do Mundo de 2014

Dez dias após a seleção brasileira se apresentar na Granja Comary, passar por exames clínicos, treinar, se submeter ao "Big Brother" de 1.800 jornalistas todas as horas do dia, disputar um amistoso com relativo sucesso em Goiânia, Felipão ainda não conseguiu convencer seus jogadores do legado da Copa das Confederações. A sua luta diária é fazer entender aos atletas da importância de se resgatar aquele espírito de luta e concentração em busca do resultado. Na avaliação do treinador, fechando o balanço da primeira fase de preparação à Copa do Mundo, os jogadores esmoreceram.

Não na vontade de ganhar, de conquistar algo valioso, e sim na disposição do time dentro de campo diante de um objetivo comum. Na opinião de Felipão, falta ao grupo resgatar o modelo tático e o comportamento que teve nos jogos da Copa das Confederações. De nada adianta ter vontade de vencer, uma gana acima do normal, nas conversas dentro da concentração, no discurso à imprensa nas entrevistas coletivas, se na hora de colocar em prática no campo prevalece a falta de memória. Felipão chama atenção.

"Evoluímos, eu sei disso. Mas ainda não atingimos aquele nível de concentração que demonstramos na Copa das Confederações. No amistoso contra o Panamá (vitória por 4 a 0, na última terça-feira) melhoramos em alguns aspectos. Falta memorizar o jeito de jogar, o posicionamento de cada um. Precisamos resgatar aquele espírito coletivo de pressionar o adversário até conseguir o gol", disse Felipão, poucas horas antes de embarcar de Goiânia para o Rio e depois para Teresópolis.

Atingir aquele patamar de um ano atrás é o grande desafio do treinador. Ele tem consciência de que não adianta insistir só nas conversas, palestras motivacionais, trabalho com a psicóloga e inúmeros vídeos inspiradores. É preciso que os jogadores ponham a cabeça para funcionar e recuperem o "chip" da Copa da Confederações.

Felipão, diante desse desafio, já decidiu que, na próxima semana, na Granja Comary até a viagem a São Paulo, dia 10 de junho, antevéspera da estreia na Copa, vai fazer um trabalho duro, com restrições ao público externo (familiares, amigos, mulheres, namoradas e agentes) visitando a concentração do Brasil. Sua missão é treinar o máximo possível de situações adversas dentro de campo, com bola, e encher os jogadores de recordações da conquista do ano passado.

Leia tudo sobre: felipaocopa do mundoquerespiritocopa das confederaçoestitulo