Planejamento será fundamental para reduzir impactos

iG Minas Gerais | Johnatan Castro / Joana Suarez |

Ainda em fase inicial, o projeto urbanístico C-Sul terá seu sucesso diretamente ligado ao planejamento das obras. O diretor executivo da ação, Adriano Lima, afirma que tudo será feito de maneira sustentável. “O grande trabalho nos próximos 30 anos é fazer um bom desenvolvimento. Isso inclui o setor viário, a segurança”, diz.  

Especialistas contratados pelos empresários estão desenvolvendo um estudo de impacto ambiental na região. De acordo com Lima, só serão feitas intervenções onde não houver prejuízos ao meio ambiente. Ele também acredita que não haverá grandes reflexos no trânsito.

Para o administrador Paulo Costa, 34, que mora no Alphaville há um ano, é fundamental que a expansão não descaracterize o contato com a natureza que o local oferece. “Sentimos falta de supermercado, cinema, bons restaurantes. Seria bom trazer o que precisa, mas não pode tirar o que tem de bom”.

O arquiteto e urbanista Sérgio Myssior explica que a região metropolitana ainda é muito centralizada na capital, e que é uma tendência em todo o mundo criar novos polos nos entornos. “O projeto é bom, mas é preciso ter uma capacidade de suporte compatível com a densidade e o número de empreendimentos”, avalia, referindo-se ao tamanho das ruas e à capacidade, por exemplo, do sistema de esgotamento sanitário e de transporte. “A mobilidade (urbana) deve ser vista desde a concepção (do projeto). É preciso pensar em um transporte não motorizado, em priorizar o transporte coletivo. Isso é uma oportunidade e um desafio”. 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave