Empresas têm rombo financeiro

iG Minas Gerais |

Brasília. O diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Romeu Rufino, afirmou, ontem, que o saldo da conta criada para cobrir o rombo das distribuidoras não será suficiente para cobrir a despesa dessas empresas referente ao mês de abril. Esse gasto, que deverá ser pago até 9 de junho, supera os R$ 2,270 bilhões presentes na conta administrada pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE). Segundo Rufino, faltarão R$ 450 milhões para cobrir o gasto de abril. Essa despesa deverá ser paga pelas próprias distribuidoras. Esse rombo, claro, costuma ser repassado para o consumidor, segundo a própria Aneel.  

Rufino afirmou que o governo começa agora a estudar novas alternativas para cobrir o rombo do setor elétrico. Segundo ele, um novo empréstimo bancário pode ser usado. Este ano, o governo intermediou um empréstimo de R$ 11,2 bilhões para o setor. O valor, negociado com bancos, deveria cobrir os gastos das empresas do setor até o fim de 2014, mas acabou sendo usado, em sua totalidade, apenas neste primeiro semestre, com três pagamentos: em abril, maio e junho. “Tem a possibilidade, que nós vamos analisar, de eventualmente ampliar o valor (do financiamento). O empréstimo já está contratado, pode ser ampliado”, disse Rufino. O governo autorizou ontem o uso do saldo restante da Conta-ACR (onde o dinheiro do empréstimo bancário estava depositado) de R$ 2,27 bilhões para as distribuidoras do país.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave