O bem-acompanhado

iG Minas Gerais | Victor Martins |

A fase do Botafogo não era das melhores, já que o clube atravessava um jejum de quase 20 anos sem conquistar nenhum título. Mesmo assim, o alvinegro carioca continuava cedendo jogadores para a seleção brasileira. Apesar de não estar em uma equipe campeã, o volante Alemão foi convocado por Telê Santana para disputar a Copa do Mundo de 1986.

Nascido em Lavras, em 1961, Ricardo Rogério de Brito ganhou o apelido “Alemão” do próprio pai, ainda na infância. A carreira começou no Fabril, de sua cidade natal, clube que atualmente não disputa competições oficiais. Antes dos 20 anos, ele foi descoberto pelo Botafogo e seguiu para o Rio de Janeiro, onde viveu por mais de cinco anos.

Depois do Mundial disputado no México, em 1986, Alemão foi vendido ao Atlético de Madrid. A passagem pela capital espanhola durou duas temporadas, e o volante brasileiro mudou-se de país mais uma vez. O destino era a Itália, para jogar no Napoli. E foi no clube italiano que Alemão teve o grande momento da carreira.

Atuando ao lado de grandes jogadores, entre eles simplesmente o argentino Maradona, Alemão fez parte do melhor time da história do Napoli. Entre as décadas de 1980 e 1990, a equipe do Sul da Itália conquistou nada menos do que o campeonato nacional e também a Copa da Uefa, que hoje é chamada de Liga Europa. Ainda no futebol italiano, Alemão jogou pela Atalanta, antes de retornar ao Brasil e defender o São Paulo. Pelo Tricolor, ele voltou a ser campeão, venceu a Conmebol de 1994 e a Recopa Sul-Americana, no mesmo ano. Em 1996, no Volta Redonda, ele encerrou a carreira.

Amigo se tornou inimigo por 90 minutos O argentino Maradona era bastante ligado aos brasileiros do Napoli, Alemão e o atacante Careca. Foi justamente um dos melhores amigos que fez no futebol que colocou um ponto final na carreira de Alemão na seleção brasileira. O último jogo dele pelo Brasil foi no dia 24 de junho de 1990, quando os argentinos venceram os brasileiros por 1 a 0, pelas oitavas de final da Copa do Mundo. O gol de Caniggia, depois da jogada de Maradona, colocou fim à história que teve 39 partidas. Alemão jogou dois Mundiais, foi titular nas nove partidas que a seleção disputou nas Copas de 1986 e 1990. Ele venceu a Copa América de 1989, sobre o Uruguai, no Maracanã.

Treinador. Depois que se aposentou dos gramados, Alemão se tornou treinador de futebol. O único título, até o momento, foi conquistado com o América, o Módulo II do Mineiro de 2008

Pênalti. O Brasil foi eliminado da Copa de 1986 pela França, nas quartas de final. Depois do empate no jogo e na prorrogação, a decisão foi para os pênaltis. Alemão bateu e marcou

Estadual. Como grande parte da carreira que fez no Brasil foi jogando pelo Botafogo, no período em que o clube ficou 21 anos na fila, Alemão jamais ganhou um campeonato estadual. Algo raro para grandes atletas

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave