Ser bilíngue aumenta a inteligência, diz estudo

De acordo com o estudo, as áreas mais afetadas pelo aprendizado de uma nova língua é a da inteligência e leitura; e isso vale tanto para o grupo que aprendeu o segundo idioma na infância quanto no que aprendeu mais tarde

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Tecnologia. Nova possibilidade servirá para facilitar o treinamento de novos neurocirurgiões, dizem especialistas
STOCKXPERT/ARQUIVO
Tecnologia. Nova possibilidade servirá para facilitar o treinamento de novos neurocirurgiões, dizem especialistas

De acordo com um estudo da Universidade de Edimburgo, na Escócia, falar uma segunda língua aumenta a inteligência, a fluência verbal e de leitura, mesmo quando o idioma é aprendido na idade adultas.

Liderados pelo professor Thomas Bak, do Centre for Cognitive Ageing and Cognitive Epidemiology, estudiosos compararam testes de inteligência de 262 pessoas. O primeiro teste do grupo foi feito quando essas pessoas tinham 11 anos de idade. O segundo teste foi feito quando já tinham mais de 70 anos.

A conclusão do estudo, publicado na revista científica Annals of Neurology, é que o grupo apresentava habilidades cognitivas significativamente melhores do que as registradas na infância.

De acordo com o estudo, as áreas mais afetadas pelo aprendizado de uma nova língua é a da inteligência e leitura. E isso valeu tanto para o grupo que aprendeu o segundo idioma na infância quanto no que aprendeu mais tarde.

Foi levantado se se as pessoas eram mais inteligentes e por isso aprenderam uma segunda língua ou, se por aprenderem um segundo idioma, tornaram-se mais inteligentes. Os pesquisadores, no entanto, explicaram que o padrão revelado pelo estudo era "significativo" e que as melhorias na atenção, foco e fluência não podiam ser explicadas pela inteligência original - ou seja, aquela constatada a partir dos testes feitos na infância.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave