Felipão decreta: 'acabou a moleza'

Como o amistoso entre Brasil e Panamá será o primeiro teste pré-Copa da seleção, Felipão não quer desculpas por uma possível má atuação

iG Minas Gerais | Da redação |

Felipão:
Alexandre Loureiro/Vipcomm
Felipão: "acabou a moleza"

Assim como no treino do último domingo, o técnico Luiz Felipe Scolari não deu moleza para seus comandados durante o treinamento de segunda-feira (2), no Estádio Serra Dourada, em Goiânia. Parou as atividades várias vezes, orientou, e deixou muito claro que não quer saber de marcação frouxa em sua equipe. Também trouxe uma novidade, o volante Ramires no lugar de Hernanes.

Mesmo assim, no treino desta segunda-feira (2), Felipão pegou mais leve com os jogadores diante dos quase 14 mil torcedores que aplaudiram a seleção das arquibancadas. A equipe enfrenta hoje, às 16h, o Panamá, em jogo amistoso, no mesmo estádio.

Depois do primeiro treino de domingo e antes do início do treino de ontem, Felipão mandou um recado aos jogadores da seleção. “Não podemos esquecer que estamos a uma semana da Copa” lembrou o treinador em entrevista antes do grupo entrar no Campo em Goiânia.

“Naturalmente foi tudo planejado, tudo efetuado. Seguimos à risca o que foi estabelecido nesta primeira semana (de treinos na Granja Comary). O que não foi estabelecido é treinar daquela forma, marcação frouxa, espaço na lateral meio, contra-ataque, posicionamento que não é o mesmo que vínhamos jogando”, disse Felipão, que ainda afirmou ter a necessidade de estabelecer que existem horas para o sim e também para o não.

“O ‘não’ deve ser ouvido com importância. Minha função é cobrar. Quando eu disser não, ele tem que ser ouvido. Amanhã já vai ter um esboço do que vinha sendo jogado nos amistosos. Espero que a gente consiga mostrar uma evolução em um trabalho que está já muito bom”, disse.

Como o amistoso entre Brasil e Panamá será o primeiro teste pré-Copa da seleção, Felipão não quer desculpas por uma possível má atuação, tanto pela proximidade do Mundial como pelo risco de lesões.

“Vou exigir a mesma coisa do que eu exigi sempre das equipes que dirigi: seriedade, jogar todos os jogos como se fosse o último. Não podemos ter exemplo dos últimos jogos, não adianta tirar o pé. Não adianta ser diferente porque é um jogo de futebol, é assim que tenho falado por muito tempo. Me estranha ouvir que eu tenha pedido para o jogador do time tal tirar o pé, eles tem que jogar amanhã com força porque se for diferente, aí sim, alguém pode se machucar”, finalizou.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave