Ele é o Rei da Glória!

iG Minas Gerais |

Se não tivéssemos a ressurreição, teríamos um salvador morto, apenas um grande mestre. Todos os outros fundadores de religião morreram, mas Jesus morreu e ressuscitou. Ele poderia continuar aqui? Poderia, mas o ministério dEle era de três anos e meio. Por quê? Porque tinha um propósito. A cruz e a ressurreição estão juntas, cada uma tem valor próprio, mas a história não termina com um túmulo vazio, haveria uma alegria maior, haveria algo espetacular. O Salmo 24 é profético, foi escrito muito antes de o Senhor vir à Terra. Vejamos os versos 7 a 10: “Levantai, ó portas, as vossas cabeças; levantai-vos, ó portais eternos, para que entre o Rei da Glória. Quem é o Rei da Glória? O Senhor, forte e poderoso, o Senhor, poderoso nas batalhas. Levantai, ó portas, as vossas cabeças; levantai-vos, ó portais eternos, para que entre o Rei da Glória. Quem é esse Rei da Glória? O Senhor dos Exércitos, Ele é o Rei da Glória”. Sem a coroação de Jesus Cristo como rei, o pentecostes não iria acontecer. Jesus é profeta, sacerdote e rei. Durante o tempo em que Jesus ficou com os discípulos, e foi um tempo curto, apenas três anos e meio, Ele falava de sua partida, mas os discípulos não conseguiam entender isso, eles estavam ali desfrutando do favor e de sua companhia. Jesus, então, disse assim: “Não vos deixarei órfãos, voltarei para vós outros. Ainda por um pouco, e o mundo não me verá mais; vós, porém, me vereis; porque eu vivo, vós também vivereis” (Jo 14:18-19). Quando Jesus contou que iria para o pai, a tristeza tomou conta do coração de seus discípulos. Ele, então, disse: “Se me amásseis, alegrar-vos-íeis de que eu vá para o pai, pois o pai é maior do que eu”. João 16, verso 22: “Assim também agora vós tendes tristeza; mas outra vez vos verei; o vosso coração se alegrará, e a vossa alegria ninguém poderá tirar”. Eles se recordavam das palavras de Jesus, sobre o consolador que viria, o Espírito Santo que viria para habitar em nós. Eles ficaram contentes porque finalmente compreenderam o propósito, porque Jesus havia ido. Quando Ele nasceu, os magos do Oriente levaram para Ele presentes: o ouro, o incenso e a mirra. O incenso para o sacerdote, a mirra para o profeta e o ouro para o rei. O ministério tríplice do senhor: rei, profeta e sacerdote. Os discípulos não entendiam, pois seu ministério na terra seria só de três anos, mas algo tão glorioso estava para acontecer. Ele deixou a arena do sofrimento e entrou em sua glória. A porta se abriu, e Ele possui toda a autoridade no céu e na terra. O seu reino é invisível. Jesus disse: o reino do céu está entre vós. O reino de Deus não é um espaço geográfico, é o domínio dEle na nossa vida. Ele deixou a sua Igreja aqui para fazer o seu reinado; por isso, disse: “Assim como o pai me enviou, eu também vos envio”. É por isso que, quando uma pessoa se converte, ela experimenta uma mudança tão profunda, tão radical, que nasce de novo, e esta obra é realizada pelo Espírito Santo, que passa a viver nela, essa pessoa passa a viver cheia do espírito. Aleluia! Os discípulos esperaram um tempo para serem revestidos do poder do espírito. O primeiro ato de autoridade que Jesus exerceu depois de sua entronização foi enviar o Espírito Santo. Ele revestiu a Igreja de poder. Os discípulos, agora, revestidos do Espírito Santo, saem para cumprir a grande comissão. Jesus disse: “Ide por todo o mundo e pregai o evangelho a toda a criatura” (Mc 16:15). “[...] Como o Pai me enviou, eu também vos envio” (Jo 20:21). Por isso, que a pregação do Evangelho, o “ide”, precisa ser da mesma maneira que Jesus o fazia. Deus os abençoe!

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave