Relator da CPI mista quer convocar Youssef e Cerveró

Deputado Marco Maia (PT-RS) descartou convocar a presidente da estatal, Graça Foster, e o ex-presidente Sérgio Gabrielli na primeira fase de trabalhos da comissão

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Deputado Marco Maia quer convocar Youssef e Cerveró
GUSTAVO LIMA/AGÊNCIA CAMARA
Deputado Marco Maia quer convocar Youssef e Cerveró

Os integrantes da CPI mista da Petrobras não chegaram a um acordo sobre o plano de trabalho apresentado pelo relator, deputado Marco Maia (PT-RS), para a condução das investigações sobre a estatal. A votação do documento ficou marcada para esta terça-feira (3). Como prioridades, o petista quer convocar os ex-diretores da estatal Nestor Cerveró e Paulo Roberto Costa, além do doleiro Alberto Youssef, pivô de uma operação que investigou um esquema milionário de lavagem de dinheiro.

Maia descartou convocar a presidente da Petrobras, Graça Foster, e o ex-presidente Sérgio Gabrielli na primeira fase de trabalhos da comissão. Para ele, como Foster e Gabrielli já prestaram depoimento na CPI exclusiva do Senado que também investiga a estatal, seria repetitivo ouvi-los novamente.

No entanto, parlamentares da oposição protestaram contra a estratégia por considerarem a comissão mista mais isenta do que a conduzida apenas pelos senadores, que foi boicotada pela oposição. "Acho que ele fez um relatório razoável mas pecou ao dizer que eles já foram ouvidos lá e não tem mais nada a dizer. A CPI do Senado é uma coisa. Essa é a CPI de verdade, que o povo brasileiro quer. Dizer que alguém foi ouvido lá e não deve ser ouvido aqui não cabe na cabeça de ninguém", afirmou o senador Mário Couto (PSDB-PA).

Para o líder do PSDB na Câmara, deputado Antonio Imbassahy (BA), faltou também incluir no plano de trabalho os nomes dos presidentes e diretores de empresas fornecedoras da Petrobras que estão relacionadas às denúncias, como as grandes construtoras.

A oposição também reclamou da intenção do relator de não pedir a quebra de sigilos de empresas ligadas ao esquema conduzido por Youssef. Os parlamentares também pedem que o relator peça à Justiça e à Polícia Federal a cópia integral dos autos da Operação Lava Jato, que desvendou o esquema milionário conduzido pelo doleiro e que levou à prisão Paulo Roberto Costa. Para eles, é imprescindível ter as informações em mãos antes de realizar as oitivas. Na primeira reunião administrativa da comissão mista, Maia apresentou o plano de trabalho que traça os objetivos da comissão e como as investigações serão desenvolvidas aos demais integrantes do colegiado mas a votação do texto foi adiada para esta terça-feira (3). Os parlamentares também deixaram para votar os mais de 580 requerimentos apresentados a partir de amanhã. A decisão foi tomada para que deputados e senadores pudessem ler o plano de trabalho, de 17 páginas, além de poder fazer as sugestões de mudanças.

O plano está dividido em quatro eixos principais que tratarão das denúncias de superfaturamento na compra da refinaria de Pasadena (EUA), o suposto pagamento de propina por funcionários da empresa belga SBM Offshore para empregados da Petrobras, a falta de segurança de plataformas que estariam sendo colocadas em operação sem componentes básicos e a construção da refinaria de Abreu e Lima, em Pernambuco.

Diante das críticas, Maia ressaltou que o plano de trabalho é apenas um guia para a comissão e não será, necessariamente, engessado. Para ele, o fluxo das investigações é que determinará quem mais será ouvido e quais outros documentos serão requisitados. Ele defendeu ainda a aprovação de 227 requerimentos em bloco e afirmou que os demais podem ser analisados e votados ao longo dos trabalhos.

Provavelmente um dos primeiros a ser convocado para depor na CPI mista, Paulo Roberto Costa, afirmou em entrevista à Folha que não houve superfaturamento na construção da refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, a maior obra da Petrobras.

Na primeira entrevista concedida após deixar a prisão, Costa afirmou que tinha boas relações com a presidente Dilma Rousseff (PT), que presidiu o conselho de administração da Petrobras no governo do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva e agora concorre à reeleição. O ex-diretor foi preso pela Polícia Federal em março e foi solto após 59 dias por ordem do Supremo Tribunal Federal. A PF suspeita que ele se associou a um esquema criado pelo doleiro Alberto Youssef para recolher propina de empresas interessadas em negócios com a Petrobras e distribuir parte do dinheiro a políticos.

Costa disse que a Petrobras decidiu construir a refinaria Abreu e Lima fazendo uma simples "conta de padeiro" e sem ter um projeto definido. Com custo inicial estimado em US$ 2,5 bilhões (R$ 5,6 bilhões), Abreu e Lima deverá custar US$ 18,5 bilhões (R$ 41,5 bilhões) quando a obra ficar pronta, em 2015.

Os partidos aliados ao governo, que controlam as investigações na nova CPI, querem que seja dada prioridade para os esclarecimentos de Costa, mas a oposição teme que, se ele for ouvido agora, pode blindar o governo sem esclarecer pontos fundamentais para as investigações.

O Congresso criou duas CPIs para investigar os negócios da Petrobras. A primeira funciona no Senado e é totalmente controlada pelo governo, sem a participação de nenhum senador da oposição. A comissão que será instalada nesta segunda é formada por deputados e senadores e tem oito oposicionistas entre os seus 32 integrantes.

A CPI do Senado já aprovou um requerimento para ouvir Paulo Roberto Costa, o que pode ocorrer nesta semana. Ela ouviu nos últimos dias a atual presidente da estatal, Graça Foster, e seu antecessor, José Sérgio Gabrielli.

Graça afirmou em seu depoimento à CPI que o valor divulgado na época em que a construção de Abreu e Lima foi aprovada pela estatal era só uma estimativa inicial e que, na verdade, a obra começou a ser construída com um projeto que estimava seu custo em US$ 13,4 bilhões.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave