Exército policiará ruas de São Paulo na Copa do Mundo

Quatro mil militares já estão à disposição do governo do estado paulista. Reunião definirá os locais de atuação do efetivo

iG Minas Gerais | Agência Estado |

O Exército vai ajudar no policiamento das ruas de São Paulo durante a Copa do Mundo. Na sexta-feira passada, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) aceitou a oferta da presidente Dilma Rousseff, que se estendeu aos demais 14 governadores cujos Estados receberão seleções durante o evento. Os homens do Exército ficarão nas ruas e em locais que demandarem reforço na segurança. Uma reunião entre o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, e as autoridades locais está prevista para ser realizada nesta segunda-feira, na Secretaria da Segurança paulista, para definir como e onde os pelo menos quatro mil homens do Exército, que já estão à disposição de Alckmin, serão empregados. O ministro José Eduardo Cardozo conversou pessoalmente com o governador paulista e ressaltou a importância do reforço de patrulhamento nas ruas. O Exército se somará aos quase 90 mil homens da Polícia Militar no Estado. Cardozo lembrou que todo o trabalho durante o Mundial será feito "com integração" e que todos os atores "já têm seus papéis claramente definidos". São Paulo receberá 15 delegações estrangeiras, que ficarão espalhadas por 12 cidades. Algumas delas precisam de atenção especial e segurança reforçada, caso dos Estados Unidos e do Irã, que ficarão na capital e em Guarulhos, respectivamente, e da Rússia, que estará em Itu, onde também ficará o Japão. Preocupada com ações agressivas de manifestantes contra seleções, como aconteceu no Rio, na semana passada, com os jogadores brasileiros, a presidente Dilma Rousseff quer que o Exército permaneça nas ruas, à mostra.  Como nas demais cidades em que as seleções de futebol também ficarão hospedadas, a determinação em São Paulo é de que os homens do Exército fiquem visíveis a todos, de forma ostensiva, nos trajetos por onde passarão as seleções e as autoridades. Haverá reforço nos aeroportos, bases aéreas, hotéis e centros de treinamento das 12 cidades paulistas que receberão seleções. Estão previstas pelo menos 500 escoltas. ESTRATÉGIA - No dia da abertura da Copa, no Itaquerão, além de homens do Exército ficarem de prontidão nos quartéis e nos diferentes pontos das cidades por onde passarão as seleções e as autoridades, a tropa federal ajudará também na escolta de torcedores VIPs, com motocicletas e helicópteros. As forças de operações especiais do Exército também foram chamadas para ajudar no reforço à segurança. Os reforços das Forças Armadas serão enviados também para Santos, onde ficarão México e Costa Rica, para Porto Feliz, onde se hospedará Honduras, para Ribeirão Preto, que receberá a França, para Campinas, que vai abrigar Portugal e Nigéria, para o Guarujá, com a Bósnia-Herzegovina, para Águas de Lindoia, com a Costa do Marfim, para Mogi das Cruzes, que receberá a Bélgica, para Cotia, com Colômbia, e para Sorocaba, que vai abrigar a Argélia. Além de São Paulo, já aceitaram apoio das tropas federais o Estado do Rio e o Rio Grande do Norte.

Leia tudo sobre: Geraldo AlckminBrasilseleção brasileirafutebol