FOTOS: Jornalistas tentam garantir assento marcando lugar

Prática comum acontece em locais onde a quantidade de estações de trabalho é menor do que a necessidade

iG Minas Gerais | THIAGO NOGUEIRA |

Lugares marcados no centro de imprensa da Granja Comary
THIAGO NOGUEIRA/WEBREPORTER
Lugares marcados no centro de imprensa da Granja Comary

Teresópolis (RJ). Com o número de estações de trabalho bem menor do que a quantidade de jornalistas que estão na Granja Comary, em Teresópolis, a briga por espaço no centro de imprensa tem sido grande.

Para garantir um lugar para se sentar após treinos e coletivas, os veículos de imprensa colaram adesivos ou improvisaram etiquetas de papel para deixar o lugar marcado. Quando o espaço é todo ocupado, resta sentar em pufes ou até nas escadas e pelo chão.

A CBF não faz qualquer restrição à marcação de lugares no centro de imprensa. Esse tipo de prática é comum em áreas de mídia de capacidade reduzida, seja em campos de futebol ou locais de cobertura esportiva. 

Normalmente, os jornalistas respeitam as marcações alheias e sempre tentam uma solução. Na Copa do Mundo, a Fifa não costuma admitir a prática.