Mancini exalta reação do Botafogo no segundo tempo

Time se afastou um pouco da zona de rebaixamento ao fazer um ponto contra uma equipe que já vinha embalada no campeonato

iG Minas Gerais | AGÊNCIA ESTADO |

Mancini ainda não sabe se seguirá no comando do Furacão em 2014
ATLÉTICO-PR/DIVULGAÇÃO
Mancini ainda não sabe se seguirá no comando do Furacão em 2014

O Botafogo foi a São Paulo no último domingo para enfrentar o Corinthians e, se esteve longe de ser brilhante, pôde comemorar o fato de voltar para o Rio com um ponto. Diante de um Itaquerão com mais de 37 mil pagantes, o time carioca saiu atrás, mas se recuperou no segundo tempo e selou o empate por 1 a 1 no fim. Para o técnico Vágner Mancini, o mais valioso deste resultado foi justamente a reação na etapa final.

"Nós tivemos um pouco de dificuldade no início da partida e levamos o gol. No segundo tempo, não. Na hora que adiantamos a marcação - fizemos a entrada do Daniel no setor ofensivo, do Gegê -, tivemos um pouco mais de posse de bola, de presença ofensiva e, no final, felizmente a gente empatou", disse o treinador.

Com o ponto conquistado, o Botafogo se distanciou da zona do rebaixamento e está em 14º, com nove pontos, além de ter conseguido um bom resultado diante de um time que vinha embalado. "Levamos um ponto muito importante não só pela recuperação do Botafogo no campeonato, mas pela dificuldade de jogar aqui diante do Corinthians", apontou Mancini.

O lateral Edílson, autor do gol de empate, também celebrou o ponto conquistado, mas discordou de Vágner Mancini na análise da partida. Para ele, o melhor momento do Botafogo na partida foi justamente o primeiro tempo tão criticado pelo treinador.

"Estou feliz pelo nosso empate, por ter feito o gol no Itaquerão. A gente jogou melhor que o Corinthians no primeiro tempo, eles chegaram uma vez e fizeram o gol. Então, fomos para o vestiário chateados com isso. Voltamos para o segundo tempo para pelo menos buscar o empate e, felizmente, conseguimos", analisou.

Leia tudo sobre: mancinibotafogosão pauloempatebrasileirãosérie aedílson