Cerca de 50 mil crianças com menos de 5 anos morrem no Brasil por ano

Além disso, 80% destas morrem antes de completar um ano e metade delas vão a óbito durante os primeiros sete dias de vida

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

O Brasil tem feito progressos na redução da taxa de mortalidade infantil e da infância nos últimos anos, mas 50.000 crianças com menos de cinco anos ainda morrem todo ano no país, e as crianças da região Nordeste têm duas vezes mais propensão a morrer nessa fase da vida do que as crianças do Sudeste.

Além disso, 80% dessas crianças morrem antes de completar um ano e metade delas vão a óbito durante os primeiros sete dias de vida. O governo está ciente de que os recém-nascidos morrem por causas evitáveis, e reconhece que os óbitos estão relacionados a "condições socioeconômicas insatisfatórias, saúde materna precária e serviços de saúde inadequados durante a gravidez, o parto e a infância".

Diante deste cenário, a Fundação Abrinq – Save the Children lança a cartilha – Construindo o cuidado necessário para a mamãe e o seu bebê que traz informações essenciais sobre o direito ao pré-natal de qualidade, ao parto humanizado, à assistência ao recém-nascido e à mãe, além de dados sobre a legislação vigente.

Produzida em parceria com o Centro Nordestino de Medicina Popular e com o patrocínio máster da Reckitt Benckiser, a publicação, que faz parte do Projeto Salvando Vidas no Nordeste, é dividida em cinco capítulos: ‘Planejamento Familiar’ e ‘Contracepção’, ‘Gravidez’, ‘Parto’, ‘O bebê nasceu, o parto acabou?’ e ‘Período pós-parto imediato’.

O objetivo é fortalecer os profissionais de saúde da Atenção Básica dos municípios pernambucanos de Lagoa Grande, Trindade, Ipubi, Santa Filomena, Cabrobó e Ouricuri, por meio de um diálogo com profissionais de saúde sobre atenção à saúde da mulher, da gestante e do recém-nascido.

Projeto Salvando Vidas de Crianças no Nordeste

Visa reduzir as taxas de mortalidade materna e infantil em 10 cidades dos estados de Pernambuco e Bahia. Com o objetivo de melhorar a qualidade dos serviços de saúde prestados para gestantes e crianças na primeira infância, ele prevê apoio técnico aos órgãos municipais de saúde, ações de mobilização social nas comunidades, formação e treinamento de profissionais especializados no atendimento materno e infantil. Conta com o patrocínio máster da Reckitt Benckiser.

Resultados em 2013

- 6 municípios participantes de 1 Estado brasileiro (Pernambuco); - 1 organização social brasileira; - 4.533 crianças beneficiadas; - 328 gestantes beneficiadas; - 151 profissionais de Saúde participaram da formação sobre cuidados com a gestante e o bebê; - 62 profissionais de Saúde participaram da formação sobre a investigação do óbito materno e infantil; - 27 gestores de Saúde presentes no encontro de apoio às Secretarias Municipais de Saúde; - 79 mulheres líderes comunitárias foram formadas sobre o exercício do controle social na Saúde; - 59 promotoras de Saúde presentes no curso de saúde sexual e reprodutiva; - 1.096 adolescentes participaram das apresentações de teatro sobre os direitos sexuais e reprodutivos

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave