Junior dos Santos sai decepcionado do UPCN-ARG

Central brasileiro defendeu equipe de San Juán por cinco temporadas e mostrou surpresa pela forma como sua saída foi conduzida

iG Minas Gerais | DANIEL OTTONI |

Dupla brasileira, Júnior e Theo, comemora um ponto do UPCN durante o confronto
JOAO GODINHO / O TEMPO
Dupla brasileira, Júnior e Theo, comemora um ponto do UPCN durante o confronto

O central brasileiro Junior dos Santos despede-se do UPCN-ARG após cinco anos. As alegrias que teve no clube e o carinho que recebeu da torcida neste período contrastam com a forma como o meio-de-rede recebeu a informação do desinteresse time, medalha de bronze no Mundial de clubes, em seu voleibol.

"Quero que fique bem claro que a decisão de trocar de time não foi minha. Sempre dei a prioridade ao time nas negociações mas, infelizmente, eles não quiseram renovar comigo. O pior foi a falta de coragem para não me fala isso pessoalmente, como deveria acontecer. Fui informado pelo meu agente. A justificativa que eles deram ainda colocou em dúvida o meu caráter", lamenta Junior, que já pensa em seu futuro.

"Ainda não quero comentar nada porque não existe nada de concreto. Quando fechar com algum time, irei divulgar. Meu maior desejo é evoluir e buscar novos desafios. Sou de propor metas para mim mesmo e quero encontrar espaço em um outro time, de uma liga superior", indica o jogador, que pode pintar em algum clube brasileiro, visto que o nível da Superliga é superior ao do campeonato argentino. Uma das possibilidades é que o Moda-Maringá conte com os serviços do gigante de 2,08m.

"A liga argentina esta há anos-luz da brasileira. Sem querer desmerecer o torneio que disputei nas últimas temporadas, a diferença é grande em relação à estrutura, logística e nível de jogo. A parte econômica também influi, mas a evolução é distinta. Na Argentina, alguns dirigentes pensam mais neles que nas instituições e no esporte. Se eu tivesse tido no Brasil o que conquistei na Argentina, a visibilidade seria outra", aponta. Agradecimento

Apesar da tristeza pela forma como sai de San Juan, Junior agradece pelo reconhecimento da torcida, que o teve como um ídolo por tudo que fez dentro de quadra. "A minha relação com a torcida é especial. Sou uma pessoa simples, que foi educada a tratar todos da mesma forma. São as pessoas que te colocam em outro patamar. Elas saem de suas casas para estar perto dos atletas que admiram e é obrigação de todos retribuir este carinho", afirma.

As lembranças que o baiano vai levar da Argentina são as melhores possíveis. Por lá, foram 11 títulos em 16 finais.

"Foram cinco anos incríveis. Ganhamos praticamente todos os torneios que disputamos. Minha experiência no UPCN incrível e será difícil esquecer tudo que passei. Apesar de algumas mudanças, o grupo sempre manteve a união dentro e fora de quadra", ressalta.