O perdoado

iG Minas Gerais | Diego Costa |

LEONARDO LARA/OTEMPO - 18.6.2009
undefined

Ele não é exatamente uma “cria” da Toca da Raposa, mas deve muito ao Cruzeiro o grande salto que deu na carreira e que o levou a vestir a amarelinha. Mas, mesmo com a boa performance em campo, um episódio fora das quatro linhas tirou Ramires da Copa das Confederações e quase custou sua convocação para o torneio mundial.

Ramires Santos do Nascimento é carioca, de Barra do Piraí. Aos 27 anos, vai disputar a sua segunda Copa do Mundo – esteve na África do Sul, em 2010. Mas teve que suar muito para adquirir o status de estrela do futebol internacional. O começo foi no Joinville-SC. Após boas temporadas, foi para a Toca da Raposa, em 2007. Até então, era um desconhecido. Mas o jovem e franzino volante brilhou com a camisa estrelada. Raça, técnica e gols marcaram a passagem vitoriosa de Ramires pelo Cruzeiro.

Em 2009, já estava no futebol europeu, no Benfica-POR. No ano seguinte, foi comprado pelo Chelsea. Com personalidade, tornou-se um dos nomes da conquista da Liga dos Campeões, em 2012.

Se nos clubes a trajetória de Ramires não teve tropeços, o mesmo não se aplica à seleção brasileira. Após se firmar com a camisa amarelinha, que vestia desde 2009, o ano passado foi de insegurança para o carioca. Já com Felipão no comando, Ramires faltou à apresentação do Brasil, no dia 23 de maio, para a disputa do amistoso contra a Itália. Motivo: uma festa de aniversário para comemorar os 26 anos de vida. Scolari não gostou nada da história e deu um “presente de grego” ao volante, que foi cortado das convocações seguintes.

Para alegria da torcida e de Ramires, o castigo durou apenas até setembro do ano passado. Ele voltou a ser convocado e estará na Copa, totalmente perdoado pelo comandante.

Diamante negro A contratação de Ramires, em 2007, passou longe de empolgar o torcedor cruzeirense. Pelo contrário, a chegada do jovem atleta, de 19 anos, foi vista com muita desconfiança pela torcida celeste. Mas o ex-jogador Pinga, que foi o responsável por indicar o atleta ao clube mineiro, mostrou que tinha boa visão. O cruzeiro gastou cerca de U$ 300 mil por 70% dos direitos econômicos do volante. E ainda mal sabia a diretoria celeste que estava com um diamante bruto nas mãos. A lapidação durou dois anos. Foram 105 jogos e 27 gols do atrevido volante. Em 2009, Ramires foi vendido ao Benfica por € 7,5 milhões. Foi tomado como exemplo de negócio pelo então dirigente azul, o atual senador Zezé Perrella. Depois, ainda foi comprado pelo Chelsea por  € 22 milhões.

Lance inesquecível Não é qualquer um que faz um golaço contra o Barcelona, em pleno Camp Nou, em uma semifinal europeia. Em 2012, o toque de Ramires, encobrindo Valdés, foi fundamental para a classificação dos Blues à final e também para a conquista da Liga dos Campeões. A partida terminou empatada em 2 a 2

Ponto forte Mostra ser um jogador de muita raça. Para o volante Ramires, não costuma ter bola perdida

Ponto fraco O jogador abusa das faltas. Só na última temporada, foram 54 infrações em campo e oito cartões amarelos

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave