Moradores de rua: direito à festa garantido?

iG Minas Gerais | Pedro Vaz Perez |

Sem maquiagem. Prefeitura garante que não haverá remoções da população de rua durante a Copa do
Mundo
Uarlen Valerio - 27.11.2013
Sem maquiagem. Prefeitura garante que não haverá remoções da população de rua durante a Copa do Mundo

A Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) não esconderá ou removerá a população de rua durante a Copa do Mundo. É o que garante a coordenadora do Comitê de População de Rua da PBH, Soraya Romina. No entanto, o Executivo anunciou que reforçará equipes de abordagem à população de rua da capital durante o torneio em função do aumento do fluxo de turistas na cidade.  

A apresentação dos “Eixos da Agenda de Convergência” para a Copa foi feita nessa quinta na Secretaria Municipal de Políticas Sociais (SMPS). “Não vamos limpar a cidade ou fazer remoções compulsórias. Eles vão ficar nas ruas e participar da festa da forma como quiserem. Mas isso não significa que eles possam fazer do espaço público uma condição de moradia”, afirmou Romina.

Segundo a coordenadora, haverá aumento de 30% na equipe especializada em abordagens sociais, que hoje conta com 90 pessoas, além de uma expansão no horário de trabalho, que será entre as 8h e a 0h. Hoje, as equipes trabalham das 8h às 21h. Os agentes, com formação em ciências sociais, têm por objetivo criar vínculos com os moradores e apontar possibilidades de saída da situação de rua, com estratégias que variam caso a caso, como reaproximação da família ou encaminhamento a abrigos.

Não está prevista, contudo, expansão na capacidade dos abrigos municipais, que hoje oferecem cerca de 900 vagas para uma população estimada em pouco mais de 1.800 pessoas. Para Romina, nem todos os moradores de rua querem sair dessa situação. “Muitas delas ficarão nas ruas”, afirma. A região da Pampulha, que abriga o Mineirão, concentra cerca de 90 moradores de rua.

A justificativa para o reforço das ações durante a Copa, segundo Romina, é o momento atípico pelo qual passará a cidade, com grande fluxo de estrangeiros. “Vamos defender os direitos dos moradores de rua, pois sua vulnerabilidade social tende a ficar mais séria. Podem ser vítimas de violência e preconceito”.

Formação Equipes de abordagem à população de rua da capital passarão por capacitação a partir desta sexta visando aprimorar metodologias de trabalho e ações de gestão do espaço público para o trabalho durante a Copa. A prefeitura também promete fazer ampla divulgação de material informativo para a população de rua, listando quais serviços sociais estarão disponíveis durante o Mundial.

Torneio A prefeitura está organizando o 1º Torneio de Futsal da População de Rua. Os jogos têm acontecido desde o dia 27 de maio. A final está marcada para 5 de junho, na Quadra Itatiaia, no bairro Bonfim, na região Noroeste da capital. O time vencedor receberá um troféu especial. O artilheiro do torneio receberá o prêmio Chuteira de Ouro. O goleiro menos vazado também será premiado.

Viu e não gostou Após causar polêmica nas redes sociais ao afirmar que havia desistido de cobrir a Copa, o jornalista dinamarquês Mikkel Keldorf lançou, nessa quinta, o documentário “O Preço da Copa” (“The Price of the World Cup”). O vídeo, sobre como o Mundial afetou o Brasil, está disponível no YouTube.

Jogos Os Centros de Referência da População em Situação de Rua oferecerão programação especial para esse público, inclusive exibindo os jogos da Copa do Mundo. O horário de funcionamento será estendido, das 8h à 0h, e serão promovidas atividades recreativas. As Unidades de Acolhimento Institucional (abrigos, albergues e repúblicas) também terão horários flexibilizados.

 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave