Apesar de muitas barreiras, a arte de Valdir Silva não para

iG Minas Gerais |

“Tinha tudo para dar errado, mas deu certo”. Parece clichê, mas a história profissional do artista plástico Valdir Silva se baseia nessa máxima.

Falta de incentivo e apoio da família, a ausência de quadros numa galeria de nome, e muitas outras dificuldades foram enfrentadas pelo artista. Porém, a mais complicada barreira foi o daltonismo.

Valdir não reconhece algumas cores, e devido a esse distúrbio visual pintar quadros se tornou uma tarefa ainda mais difícil. “Sempre foi um sonho. Já escutei que não chegaria a lugar nenhum escolhendo a arte como profissão, mas eu cheguei”.

Voltando no passado, Valdir lembra que “desde pequeno eu enfrento algumas dificuldades por não saber ao certo quais são as cores, mas eu só descobri que era daltônico durante um exame para retirar a carteira habilitação. Antigamente eu tinha vergonha, e isso me prejudicava muito, agora eu peço ajuda e não me aborreço mais com essa diferença”.

Orgulhoso de suas pinturas, Valdir afirmou que pretende se aposentar, mas nunca deixar a arte. “Vou continuar me dedicando à pintura e também à casa de festas”.

Futuro

Em primeira mão, Valdir conta que tem projetos para pintar quadros em homenagem a Contagem.

Ele pretende resgatar a história da cidade por meio de pinturas para que assim possa expor no refúgio do artista e, quem sabe, conseguir algum apoio da Prefeitura Municipal para que a exposição conquiste um público maior.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave