Nome será indicação de Dilma

iG Minas Gerais |

Brasília. A saída de Joaquim Barbosa do STF abrirá uma nova vaga a ser preenchida por uma indicação da presidente Dilma Rousseff. Será o quinto ministro da atual composição a ser escolhido por Dilma.  

Dois nomes são cotados: o atual ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo; e o advogado geral da União, Luís Inácio Adams que, antes apontado como favorito, hoje correria por fora.

O problema é que, dessa vez, a indicação poderá coincidir com o período eleitoral, entre julho e outubro. Isso porque Barbosa deixa o tribunal no fim de junho. O Congresso estará de recesso oficial em julho e no chamado “recesso branco” durante o período eleitoral, o que pode esvaziar a obrigatória sabatina a que os nomeados têm de passar pelo Senado.

Nesse sentido, o componente eleitoral será um complicador para a escolha do nome. Se a indicação for feita no meio do processo eleitoral, o governo terá de encontrar um nome que não seja combatido pela oposição. Dilma pode retardar a indicação e fazê-la depois de outubro. Mas se perder as eleições, terá também de indicar um nome consensual.

Nessa quinta, logo após o anúncio de Barbosa, a Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra) divulgou nota na qual afirmou que espera que a saída do presidente do STF marque a volta do diálogo com o setor. A Anamatra destacou que o período de Barbosa na presidência foi marcado pelo “déficit democrático”.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave