Campos volta a atacar PSDB: ‘Podia fazer, mas não fez’

Socialista chama senadores Collor e Sarney de velhas raposas

iG Minas Gerais |

Festa. Em Franca (SP), Eduardo Campos foi recebido por correligionários em clima de campanha
Renê Moreira
Festa. Em Franca (SP), Eduardo Campos foi recebido por correligionários em clima de campanha

São Paulo. O presidente do PSB, Eduardo Campos, pré-candidato à Presidência da República, voltou a atacar o PSDB nessa quinta, durante visita a Araraquara (273 km de São Paulo). De acordo com ele, o PSDB – assim como o PT – teve a chance de colocar o Brasil para crescer em um ritmo mais acelerado e não o fez.  

Campos voltou a falar sobre a declaração de Marina Silva, pré-candidata a vice-presidente em sua chapa, que disse que o PSDB tinha cheiro de derrota. O socialista disse que o partido perdeu as últimas eleições por causa do Nordeste. “Nos últimos anos, o PSDB perdeu as eleições e perdeu no Nordeste, que é de onde eu venho. Por isso, aceitei a convocação do meu partido para conseguir superar o atual governo”, disse Campos.

Em entrevista a um canal de TV local, o ex-governador de Pernambuco disse que “não dá para acreditar” que a presidente Dilma Rousseff possa aumentar os níveis de crescimento do Brasil.

Comparando Dilma ao ex-presidente Lula, Campos disse que Lula tinha aprovação da população, “apesar das deficiências de seu governo”. “Já a Dilma tem sido reprovada pela população. Se ela estivesse em uma sala de aula, teria que repetir de ano. Ela prometeu aos eleitores que seria uma faxineira, mas não fez a faxina que prometeu”, declarou o socialista.

Raposas. Eduardo Campos voltou a encampar o discurso de Marina Silva de propor uma “nova política” e chamou os senadores José Sarney (PMDB-AP) e Fernando Collor (PTB-AL) – ambos ex-presidentes da República – de “velhas raposas”. O pré-candidato afirmou que ele e a ex-senadora são a opção para a política brasileira. “Eu e a Marina somos a opção para aposentar as velhas raposas como o Sarney, que no nosso governo vai para a oposição; como o Collor, que estará na oposição. Porque se a gente não renovar a política não vamos conseguir dar jeito no Brasil”, afirmou.

Campos também cumpriu agenda com correligionários em Franca (400 km de São Paulo). No município, ele se encontrou com políticos e empresários do setor calçadista. Sua recepção foi em clima de campanha eleitoral. “O que nos diferencia é que vamos operar uma mudança no Brasil”, disse.

Presidente volta a Minas pela 7ª vez A presidente Dilma Rousseff cumpre nesta sexta agenda oficial em Minas Gerais pela sétima vez neste ano. Dilma estará em Poços de Caldas, no Sul do Estado, onde entregará 70 caminhões e 76 motoniveladoras a 114 municípios da região. Em seguida, a presidente cumpre agenda partidária em Belo Horizonte, onde participa do Encontro Estadual do PT, que fará lançamento da pré-candidatura de Fernando Pimentel (PT) ao governo de Minas.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave