Minsitério revoga portaria que regulamentava aborto legal pelo SUS

Primeiro texto estipulava o valor de R$ 443 pelo procedimento, e segundo a assessoria de imprensa do governo, também houve inconsistência no cálculo do impacto financeiro que o procedimento causaria aos cofres

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

De acordo com o ministério, a mudança trazida pela portaria era apenas burocrática, já que a interrupção da gravidez, em casos permitidos pela legislação, já era feita pelo SUS.
De acordo com o ministério, a mudança trazida pela portaria era apenas burocrática, já que a interrupção da gravidez, em casos permitidos pela legislação, já era feita pelo SUS.

O Ministério da Saúde revogou nesta quinta-feira (29) portaria que incluía procedimentos para casos de aborto, previstos em lei, na tabela do Sistema Único de Saúde (SUS). A pasta alega que a Portaria 415, publicada no dia 22 de maio, foi revogada porque não houve acerto sobre detalhes da publicação com os gestores municipais e estaduais, antes da publicação.

A primeira portaria estipulava o valor de R$ 443 pelo procedimento, e segundo a assessoria de imprensa do ministério também houve inconsistência no cálculo do impacto financeiro que o procedimento causaria aos cofres públicos.

De acordo com o ministério, a mudança trazida pela portaria era apenas burocrática, já que a interrupção da gravidez, em casos permitidos pela legislação, já era feita pelo SUS.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave