Ex-integrantes da Legião Urbana se manifestam contra site da banda

Em um comunicado divulgado para a imprensa, Dado e Bonfá escrevem que "nem o herdeiro de Renato Manfredini Jr. nem a empresa Legião Urbana Produções Artísticas" os representa

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Divulgação
undefined

Os músicos Dado Villa-Lobos e Marcelo Bonfá, ex-integrantes da banda de rock Legião Urbana, se manifestaram nesta quinta (29) contra um novo site sobre o grupo, criado pela empresa Legião Urbana Produções Artísticas, hoje nas mãos do filho do vocalista Renato Russo (1960-1996), Giuliano Manfredini.

Em um comunicado divulgado para a imprensa, Dado e Bonfá escrevem que "nem o herdeiro de Renato Manfredini Jr. nem a empresa Legião Urbana Produções Artísticas" os representa, e "tampouco representam a banda" criada por eles, junto com Renato Russo, na década de 1980. O novo portal está previsto para ser lançado no dia 4 de junho.

"Informamos que não temos conhecimento algum sobre o conteúdo ou o que esse novo site pretende apresentar, e que também não nos foram solicitadas as eventuais autorizações para o uso da nossa imagem ou das nossas gravações originais", escrevem os músicos.

Em repúdio às declarações de Dado e Bonfá, a Legião Urbana Produções Artísticas também se manifestou por meio de uma nota nesta quinta-feira, dizendo que o comunicado dos músicos é "intempestivo" e "patético".

"O site a ser lançado não é o "site oficial" da "banda Legião Urbana", mas o da Legião Urbana, marca histórica cuja propriedade foi deixada por Renato Russo a seus herdeiros", diz o texto enviado à imprensa.

A nota se refere a Dado e Bonfá como "ressentidos".

"Os signatários de tal 'comunicado' promovem confusão e induzem ao erro, ao não relatarem a verdade: a marca 'Legião Urbana' foi criada e registrada por Renato Russo, que doou pequena participação aos dois músicos. Dado e Bonfá revenderam ao próprio Renato o que haviam recebido graciosamente dele, um homem sabidamente generoso. Farta documentação oficial dos cartórios, jamais contestada, prova cabalmente toda questão da propriedade da marca", escreve a empresa.

A disputa entre os ex-integrantes do Legião e o filho de Renato Russo se arrasta desde meados de 2013, quando Dado e Bonfá foram proibidos de utilizar a marca da banda, em mãos da empresa de Manfredini.

Em março deste ano, a questão se acirrou após o lançamento do site www.renatorusso.com.br, dedicado apenas à memória do cantor. Na ocasião, o site original do grupo, criado em 2010, foi apagado e redirecionado para o de Renato Russo.

Atualmente, ao acessar o portal www.legiaourbana.com.br, o internauta é recebido pelo aviso de que um "novo site da banda" estará no ar em breve, e tem a opção de passar para o endereço dedicado ao vocalista.

Em entrevista ao jornal "O Globo", em março deste ano, Carlos Taran, ex-empresário de Dado Villa-Lobos e de Marcelo Bonfá, usou os Beatles para fazer uma comparação com a situação do site da banda brasileira. "Como se sentiriam os fãs dos Beatles se, ao tentar acessar o site oficial da banda, fossem direcionados para o site particular de John Lennon?", disse à época.

A empresa, no comunicado divulgado hoje, critica a analogia, que, segundo escrevem, "engrossa o folclore da MPB pela ausência de humildade". "Nós a [a comparação] rejeitamos em nome do bom senso e da seriedade que deve permear o debate."

DIREITOS

A empresa Legião Urbana Produções Artísticas foi criada em 1987 para proteger os direitos autorais dos membros do grupo. Como a legislação indica que apenas uma pessoa física ou jurídica pode ter propriedade sobre uma marca, Renato Russo se tornou o sócio majoritário da empresa e os outros, sócios minoritários.

Na época, a banda entrou com pedidos de registro da marca Legião Urbana no Instituto Nacional de Propriedade Intelectual. No entanto, os direitos sobre a marca só foram obtidos depois que Dado e Bonfá já haviam deixado a sociedade, e a empresa passou aos cuidados da família de Renato Russo.

Ano passado, a Justiça determinou que os ex-integrantes não poderiam mais usar a marca da banda. "Eles podem se apresentar como ex-integrantes, mas não podem usar a marca. Quem foi o fundador da Legião Urbana foi o Renato Russo", disse na época Sérgio Nery Maia, advogado da Legião Urbana Produções Artísticas. Na nota de hoje à imprensa, a empresa reforça sua posição de que "a Legião Urbana se foi com Renato Russo".

No comunicado divulgado nesta quinta, os ex-integrantes da banda dizem que não pretendem autorizar o lançamento de qualquer produto da banda Legião Urbana "enquanto o processo que hoje está no âmbito da Justiça não seja resolvido".

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave