O aguerrido

iG Minas Gerais | Diego Costa |

undefined

De uma quase aposentadoria precoce em terras polonesas à Copa do Mundo. Em apenas seis anos, a vida de Paulinho deu uma virada tão grande quanto a persistência e a qualidade técnica de um dos principais homens do meio-campo da seleção brasileira.

José Paulo Bezerra Maciel Júnior, de 25 anos, é natural da capital paulista. Ele teve de ter muita fé e paciência para conquistar um lugar ao sol, após enfrentar o lado sombrio que o futebol também reserva. O volante começou a carreira no Audax-SP. Em seguida, em 2006, recebeu uma proposta de um clube da Lituânia, Vilnius. Ainda em terras europeias, também se aventurou no Lodzki, da Polônia, onde quase encerrou a carreira por causa dos problemas que enfrentou no país.

Em 2008, estava de volta ao modesto Audax. Jogou as divisões de acesso do futebol paulista e começou a despontar como um grande jogador. A ascensão prosseguiu no Bragantino. De lá, foi para o Corinthians, onde Paulinho atingiu o auge. Foram quatro boas temporadas pelo Timão, time pelo qual conquistou o Brasileirão de 2011, a Copa Libertadores e o Mundial de Clubes, em 2012, sendo destaque em todas as campanhas. Atualmente, após um longo período no banco de reservas, joga no Tottenham, da Inglaterra.

A história de Paulinho na seleção brasileira começou em 2011, ainda com Mano Menezes. O sucesso no Corinthians foi determinante também para sua afirmação no time do Brasil. Mesmo que não esteja vivendo os melhores momentos no clube inglês, Felipão confia no futebol do volante, que deve ser titular na Copa do Mundo.

Deu olé no racismo Antes do sucesso pelo Corinthians, o volante Paulinho teve que superar muitas dificuldades. Um caminho trilhado por vários ônibus, metrôs e lotações que levavam o jovem atleta aos treinos. Mas, nenhuma pedra foi tão difícil de retirar do caminho quanto a que ele encontrou no futebol polonês. Jogando pelo Lodzki, em 2007, Paulinho foi vítima de racismo, fato que quase o fez desistir da carreira. Além disso, enfrentava o frio e o baixo salário. Em diversas entrevistas, chegou a declarar que o retorno ao Brasil, em 2008, foi um verdadeiro recomeço dele no esporte. As cores preta e branca, das camisas do Bragantino, do Corinthians e do Tottenham, marcaram a volta por cima do volante, que agora espera a consagração com a amarelinha e o hexacampeonato.

Lance inesquecível. Gol marcado contra o Vasco, no Pacaembu, pelas quartas de final da Copa Libertadores. Após a bela defesa de Cássio na finalização de Diego Souza, Paulinho marcou, de cabeça, o gol da classificação paulista, na vitória por 1 a 0, na campanha do título continental de 2012

Ponto fraco. Após bom início no futebol inglês, o jogador vem de temporada irregular no Tottenham. Deixou a desejar em várias partidas

Ponto forte. Com bom chute e cabeceio certeiro, se tornou uma importante arma na seleção como elemento-surpresa durante as partidas

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave