UFMG: No meio do caminho havia um “não”

iG Minas Gerais | Thiago Nogueira |

Proximidade. Panorâmica mostra o Campus da UFMG e o estádio Mineirão
foca lisboa
Proximidade. Panorâmica mostra o Campus da UFMG e o estádio Mineirão

No dia de apresentação do plano de segurança e saúde para o Mundial, o governo do Estado e a prefeitura ganharam um contratempo de última hora. Como a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), por definição da reitoria e do Conselho Universitário, decidiu que não vai permitir a utilização de seu campus na Pampulha para o embarque e desembarque dos Terminais Copa, um novo planejamento terá que ser feito a menos de duas semanas do Mundial.

“Fomos surpreendidos com um grande prejuízo operacional para o torcedor, da não abertura da UFMG para a operação de duas linhas especiais (que saem da cidade direto para o Mineirão). O plano está sendo refeito a menos de 15 dias do evento. Temos que nos mobilizar rapidamente, mas o prejuízo é para o torcedor, que terá de andar um pouco mais”, já avisa o secretário de Estado de Turismo e Esportes, Tiago Lacerda. O plano de mobilidade da BHTrans e dos demais órgãos de trânsito só será divulgado na próxima semana, quando a contagem regressiva para a Copa já estará na casa dos dez dias. Há duas semanas, O TEMPO tinha revelado a intenção do governo de utilizar o espaço como base de apoio para torcedores. A UFMG, por sua vez, tomou a decisão para proteger comunidade acadêmica de transtornos. No ano passado, durante a Copa das Confederações, a Força Nacional chegou a ser convocada para proteger o campus, mas foi dispensada depois de protestos dos estudantes. Na questão de segurança, o “fechamento” da UFMG – que só permitirá acesso de estudantes e funcionários após cadastro prévio – não muda. “Para a Polícia Militar, é indiferente. Nós não tínhamos nenhum plano de ações lá. O que havia era a possibilidade de forças federais e de terminal de ônibus”, afirmou o coronel Divino Pereira de Brito, chefe do Estado-Maior da PM. De toda forma, ainda está sendo estudada a possibilidade de utilizar as vias do campus apenas para o deslocamento de ônibus, sem desembarque. Na Copa das Confederações, a avenida José Dias Bicalho, no bairro São Luiz, foi uma das alternativas de desembarque, mas isso chegou a ser alterado, de última hora, por causa da proximidade com os grupos de manifestantes que se deslocaram ao longo da avenida Antônio Carlos. 

Equipamentos e profissionais Efetivo. Nessa quarta, a prefeitura e o governo do Estado apresentaram o plano de segurança e saúde para a Copa. Serão 60 mil homens em todo o Estado, quase 20 mil atuando na região metropolitana, em sua maioria de policiais militares (12 mil). Também há policiais civis, bombeiros e guardas municipais na conta. Segurança. O governo relatou todos os equipamentos que serão utilizados no evento. São helicópteros de patrulha e aeromédico, simuladores, robôs, armas especiais, um imageador aéreo, plataformas de observação elevadas e delegacia móvel. Saúde. Para a utilização na Copa, foram listados o veículo de regulação móvel, cinco conjuntos de Postos Médicos Avançados (PMAs), duas tendas de descontaminação, além de equipamentos, materiais e medicamentos para atendimento nos PMAs. Também houve compra de equipamentos, contratação de consultorias internacionais e adequação hospitalar com investimento de R$ 39 milhões. O plano também inclui ações de vigilância sanitária, aumento do número de profissionais de urgência e emergência, além de um serviço de atenção à saúde do viajante.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave