Projeto de tráfego no centro vai custar R$ 50 milhões

iG Minas Gerais | Joana Suarez |

Metade da verba financiada pela prefeitura junto ao BDMG será investida em um projeto de melhoria do tráfego no centro de Belo Horizonte. O MobiCentro inclui soluções de engenharia como a reprogramação dos semáforos – com redução do tempo de 120 para 90 segundos –, redução de percursos, criação de faixas exclusivas, entre outras ações de mobilidade urbana, com foco também no pedestre.  

Segundo o prefeito Marcio Lacerda, trata-se de “pequenas” intervenções no trânsito, como as do cruzamento das avenidas Carandaí e Afonso Pena, que ganhou uma mão-inglesa para diminuir um tempo do semáforo. Ele explicou que várias esquinas sofrerão alterações, mas não há previsão de início.

A apresentação completa do MobiCentro, porém, só será feita posteriormente pela Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte (BHTrans). A intenção seria eliminar conversões à esquerda. Uma delas será na rua Araguari, no bairro Santo Agostinho, onde os veículos que vêm pela avenida Amazonas não poderão mais virar à esquerda. Entre os locais previstos para intervenções estão o Boulevard Arrudas, as avenidas Afonso Pena e Amazonas, e as áreas central e hospitalar.

Segundo o prefeito, o Move (nome dado ao BRT da capital) deve ser entregue oficialmente pela presidente Dilma Rousseff no dia 10 de junho. “Esperamos entregar antes da Copa o BRT também operando na Pedro I”, disse Lacerda.

A liberação do financiamento do BDMG para a capital prevê o repasse de R$ 50 milhões ainda neste ano, e o restante, até 2016. O banco assinou um contrato de empréstimo de cerca de R$ 160 milhões com a Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD) para apoiar obras de infraestrutura municipal como destinação adequada de resíduos sólidos e mobilidade urbana. O valor do financiamento oferecido é de até R$ 75 milhões para cada intervenção. 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave