Base quer incluir ‘período FHC’

iG Minas Gerais |

Brasília.O líder do governo no Congresso, senador José Pimentel (PT-CE), defendeu que se “passe a limpo” a Petrobras, mas cobrou que as investigações atinjam também o governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB). “Queremos trabalhar 180 dias para que possamos passar a limpo a história da maior empresa do Brasil”, afirmou o petista, na primeira reunião da CPI mista.  

O governista, que é relator da CPI sobre a estatal exclusiva do Senado, defendeu a investigação de supostas irregularidades cometidas durante o governo FHC, mencionando que quer apurar a compra da Repsol, que teria causado um prejuízo de US$ 2,2 bilhões à estatal.

Em resposta à proposta, o deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) disse não se preocupar com eventuais investigações sobre o governo FHC. “Não temos problemas em investigar o governo FHC”, afirmou o democrata. “Todos devem ser investigados, se essa for a decisão do plenário”, concluiu.

Cartel. Para neutralizar o foco lançado sobre a CPI mista da Petrobras, aliados da presidente Dilma Rousseff vão instalar na semana que vem outra comissão de inquérito para investigar o cartel do metrô de São Paulo durante governos do PSDB. A estratégia é atrair as atenções para a comissão do cartel, uma vez que o PSDB é o principal adversário do PT na disputa pela Presidência da República.

Nessa quarta, após acusações da oposição de que a Petrobras é vítima de “saqueamento” e “aparelhamento político”, coube à deputada Iriny Lopes (PT-ES), suplente da CPI mista da Petrobras, fazer a defesa do governo e acusar os oposicionistas de promover um “palanque eleitoral” na comissão.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave