Filme baseado em peça é previsível e sem graça

iG Minas Gerais |

SÃO PAULO. Após anos em cartaz, o monólogo teatral escrito e interpretado por Mônica Martelli, “Os Homens São de Marte...E É pra Lá que Eu Vou”, ganhou versão cinematográfica. Desta feita, as tribulações de Fernanda (Martelli) em busca do grande amor são apresentadas com o apoio de um elenco cheio de nomes conhecidos. 

Bonita e bem-sucedida profissionalmente, Fernanda sofre para conseguir se realizar no plano afetivo. Pula de um relacionamento para outro com a ingenuidade de uma adolescente e sempre cai de amores no primeiro encontro. Fernanda se envolve com uma pitoresca galeria de tipos mais ou menos improváveis, como um senador sedutor (Eduardo Moscovis), um arquiteto (Marcos Palmeira) e um milionário tão exibicionista quanto boçal (Humberto Martins).

Previsíveis, os quiproquós em que ela se mete não têm lá muita graça. Seu interlocutor mais constante é Aníbal (Paulo Gustavo), seu sócio em uma empresa que organiza festas, é claro, de casamento. A comicidade da dupla poderia render mais se Gustavo não interpretasse o gay Aníbal com o mesmo registro excessivo com que deu vida a Dona Hermínia em “Minha Mãe É uma Peça”. A voz é a mesma, os cacoetes idem.

Essas fraquezas, somadas à desesperada obsessão da protagonista, incapaz de pensar em outra coisa que não seja o príncipe encantado, acabam entediando.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave