Pré-candidatos de Minas participam de mesmo evento

Pimenta da Veiga e Pimentel trocam farpas em agenda comum

iG Minas Gerais | Larissa Arantes |

Fernando Pimentel fez críticas à atuação do governo de Minas
Camara Municipal de Uberaba / Di
Fernando Pimentel fez críticas à atuação do governo de Minas

Os dois pré-candidatos ao governo de Minas Gerais, Pimenta da Veiga (PSDB) e Fernando Pimentel (PT), participaram nesta quarta do mesmo evento em Uberaba, no Triângulo Mineiro. Ambos foram palestrantes em momentos diferentes no II Fórum dos Vereadores do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba.  

Apesar de terem sido convidados para falar sobre temas ligados ao desenvolvimento das cidades mineiras, não deixaram de lado as alfinetadas mútuas. “O nosso nome foi lançado há 90 dias, e o nosso principal concorrente é candidato há quatro anos”, criticou Pimenta da Veiga, quando questionado sobre as recentes pesquisas eleitorais.

Em seu discurso no fórum, Pimenta mencionou diversas vezes o nome do senador e pré-candidato à Presidência da República, Aécio Neves (PSDB). “A vitória de Aécio depende de Minas Gerais. E a vitória em Minas depende de formadores de opinião como os que estão aqui”, avaliou. A plateia era composta basicamente de prefeitos, ex-prefeitos e vereadores da região.

“Se Minas se unir em torno do nome de Aécio Neves, não tenho dúvida de que o próximo presidente será Aécio Neves. Está ao alcance das nossas mãos”, reforçou.

Posição. Já Pimentel evitou polemizar sobre os números das pesquisas em Minas e focou seu comentário nas intenções de voto para a presidente Dilma Rousseff (PT), candidata à reeleição pelo partido. “Pesquisa é sempre o retrato de um momento. Tem que vê-la com humildade. Eleição é ganha no dia a dia”, concluiu.

Nos últimos levantamentos divulgados, os principais adversários da presidente – Aécio Neves e o ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos (PSB) – têm registrado crescimento maior do que o de Dilma.

O pré-candidato petista não poupou críticas ao governo do Estado, comandando há mais de duas décadas pelos tucanos.

“Na segurança, nós estamos com uma situação muito grave, com profunda deterioração dos índices de criminalidade e uma sensação de insegurança nas famílias, nos lares de Minas Gerais, muito grande”, respondeu, defendendo recomposição dos efetivos das polícias. “É preciso ter um planejamento efetivo de segurança para o Estado”. Ele ainda defendeu “uma ação mais efetiva do governo do Estado para a saúde”.

O provável candidato ao Senado pela aliança petista, Josué Gomes, também participou do fórum.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave