Bernardinho cobra melhora no saque contra Polônia

Outro fundamento que o treinador espera consertar durante a disputa da Liga Mundial é o passe

iG Minas Gerais | Agência Estado |

Bernardinho afirmou que o Brasil foi brilhante e fez um primeiro set irrepreensível
REPRODUÇÃO/CBV
Bernardinho afirmou que o Brasil foi brilhante e fez um primeiro set irrepreensível

Depois de duas derrotas para a Itália, ambas por 3 sets a 1, na primeira rodada da Liga Mundial, o Brasil tenta chegar aos primeiros pontos na competição enfrentando a cada vez mais rival Polônia, no Ginásio Chico Neto, em Maringá, no norte do Paraná. Mas, para que a equipe chegue às primeiras vitórias, Bernardinho sabe que é preciso melhorar em dois fundamentos: no saque e no passe. “O time precisa ser mais consistente no saque, já que essa é o ponto de partida. O passe também é muito importante para que a nossa rodada de bola seja melhor. Nosso entrosamento não é o melhor ainda em função do pouco tempo de treinamento", comentou o treinador. A seleção brasileira masculina de vôlei chegou a Maringá na segunda-feira, treinou três dias, e, segundo Bernardinho, não tem desculpas para não melhorar. "Trabalhamos bem nos treinos em Maringá e o time precisa crescer. Estamos em boas condições, apesar do frio que atrapalha um pouco, mas os jogadores estão dedicados e isso não vai nos prejudicar em nada”, garante. Capitão do time, o levantador Bruno também admite que derrotas não fazem parte da rotina e o Brasil precisa reencontrar seu caminho. “Sabemos que esse ainda é um início de trabalho. Sem dúvida, as derrotas doem. A verdade é que estamos mais acostumados com as vitórias do que com as derrotas, ainda bem, mas não é isso que vai fazer com que alguém perda o foco." Por conta da transmissão pela Rede Globo, os jogos do Brasil em Maringá serão às 14h45, tanto na quinta quanto na sexta-feira. A Polônia, potência ascendente no vôlei, foi campeã da Liga Mundial em 2012 e, neste ano, vai receber o Mundial. “A Polônia é uma equipe de muita tradição. Campeã olímpica em 76 e sempre uma candidata nas competições que participa e, obviamente, tem sempre equipes muito altas, e com um ótimo voleibol. Não podemos pensar na questão da altura deles e, sim, no volume de jogo, na nossa técnica mais apurada, que são coisas dessa natureza que vão trazer para o Brasil condições de vencer as partidas e continuar ganhando campeonatos”, completou Bernardinho.

Leia tudo sobre: BernardinhoSeleção BrasileiraBrasilvôleicobrança