BDMG empresta R$ 100 milhões para obras de infraestrutura da PBH

Valor será distribuído entre Projeto Pampulha Viva, o MobiCentro, e à avenida sanitária no bairro Pompéia

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Foi assinado na tarde desta quarta-feira (28) um contrato entre o Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG) e a Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) para a liberação de R$ 100 milhões que serão investidos em obras de infraestrutura urbana na capital. A quantia será investida em três projetos: desassoreamento da lagoa da Pampulha, projeto MobiCentro e a construção de uma avenida sanitária para reduzir o impacto das inundações no Pompéia, na região Leste de Belo Horizonte.

A solenidade do projeto, que foi presidida pelo governador Alberto Pinto Coelho, aconteceu no Palácio Tiradentes. Durante o evento foi explicado que somente para o Projeto Pampulha Viva serão destinados R$ 34 milhões. O desassoreamento demandará R$ 354 milhões com linhas de financiamento do BDMG, da Copasa, do Banco do Brasil e da própria Prefeitura. O projeto também minimizará os efeitos das inundações na região e aumentará a capacidade de amortecimento de cheias da represa.

Já o MobiCentro irá receber R$ 50 milhões para o desenvolvimento de soluções integradas de engenharia de tráfego e de transportes para melhor a mobilidade urbana. Serão ações como a reprogramação dos semáforos da região central e criações de faixas exclusivas, dentre outras mudanças.

Os R$ 16 milhões restantes terão a destinação para a construção de uma avenida sanitária ao final da Avenida Belém, no bairro Pompéia. A obra inclui a recuperação dos fundos de vale dos córregos do Navio e do Joões. Essas intervenções vão reduzir os impactos das inundações na área de confluência dos córregos e de seu entorno.

Durante o evento, o governador destacou a importância da parceria com a PBH, visando trazer mais mobilidade à capital. “Celebramos uma importante operação de crédito entre o BDMG e a Prefeitura da nossa capital para aplicação em projetos importantíssimos para assegurar o desenvolvimento de Belo Horizonte”, afirmou Coelho.

Já o prefeito Marcio Lacerda, agradeceu a parceria e citou a importância dos projetos a serem desenvolvidos com os recursos do financiamento. “São grandes intervenções das quais nós poderemos nos orgulhar no futuro. Agradeço ao BDMG e cumprimento o Governo do Estado pela qualidade que ajudou o banco, apesar das dificuldades, a se manter nesses últimos anos”, disse.

O projeto teria sido apresentado ao BDMG há cerca de dois meses e, de forma bem rápida, a instituição conseguiu criar as condições para fazer essa cerimônia de assinatura. Essa operação mostra o esforço do BDMG em se tornar uma instituição cada vez mais colaborativa”, destacou.

Empréstimo com banco francês

Os R$ 100 milhões disponibilizados pelo BDMG são parte de um empréstimo obtido pelo banco junto à Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD), instituição bilateral de cooperação financeira do governo francês, que atua desde 1941 nos países em desenvolvimento e nos territórios ultramarinos franceses.

O BDMG assinou com a AFD um contrato de empréstimo de 50 milhões de euros (cerca de R$ 160 milhões) para financiar projetos municipais voltados para as questões climáticas e para a universalização de serviços básicos.

Os financiamentos poderão ser concedidos para prefeituras e para concessionários de serviços públicos municipais. Projetos com financiamentos de até R$ 15 milhões serão analisados apenas pelo BDMG. Acima desse valor, a AFD fará o enquadramento técnico do projeto. O valor do financiamento para cada município não poderá ultrapassar R$ 75 milhões.

O Governo de Minas e AFD têm em vigor um termo de cooperação técnica que envolve parcerias em estudos sobre desenvolvimento econômico, ensino superior e pesquisa, cultura e patrimônio e meio ambiente. O acordo internacional é o mais amplo já assinado por Minas Gerais na esfera internacional.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave