Professor da UFMG acusado de assédio tem pedido de indenização negado

Educador pediu, por danos morais e materiais, R$ 26,500; advogado de defesa vai recorrer da sentença

iG Minas Gerais | CAROLINA CAETANO |

O professor do curso de Ciências Sociais da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Francisco Coelho dos Santos, acusado pelos alunos da instituição por assédio teve o pedido de indenização negado pela Justiça. A sentença foi divulgada na última semana.

O docente, que processou o Centro Acadêmico de Ciências Sociais (Cacs) e quatro alunos, pediu R$ 25 mil por danos morais  e R$ 1.500 por danos materiais, pelos gastos com a sua defesa e com o processo.

“Meu cliente passou por dois processos administrativos da UFMG, onde foi considerado inocente. No entanto, ele e a família tiveram uma exposição negativa por causa do caso, que ganhou grande repercussão”, contou o advogado Ítalo Souza Nicoliello.

Ainda segundo  Nicoliello, o professor, que continua lecionando, está confiante e vai entrar com recurso.

“Vamos recorrer. Esta semana mesmo iremos protocolar o recurso”, disse o defensor. 

Por meio de nota no Facebook, o Cacs comentou a decisão da juíza  Ana Cristina Viegas Lopes de Oliveira agradecendo o envolvimento dos alunos e ex-alunos no caso. No post eles também destacaram que a decisão foi uma vitória para os estudantes. Por fim, o Cacs incentivou Que mulheres não tenham medo de denunciar casos de ofensas ou abusos.  

Relembre

O caso ganhou repercussão depois que comentários supostamente machistas feitos em sala de aula pelo professor foram compartilhados por meio das redes sociais e revoltaram alguns alunos da instituição, que iniciaram uma campanha para afastar o docente da universidade.

Segundo a denúncia, o educador teria dito à aluna Fernanda Maria Caldeira, em aula, que gostaria de terminar a conversa com ela “na horizontal”.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave