Creme promete clarear pele negra em uma semana

Whitenicious seria capaz de retirar a hiperpigmentação da pele, artista nigeriana Dencia, que era negra, utilizou o cosmético em todo o corpo e apareceu em fotos com cútis muito mais clara

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Dencia, que era negra, é desenvolvedora e principal adepta do produto
Reprodução / Facebook
Dencia, que era negra, é desenvolvedora e principal adepta do produto

Um creme que promete clarear peles morenas e negras está fazendo sucesso na África Ocidental e causando polêmica mundo afora. A suposta capacidade do cosmético Whitenicious, promovido pela popstar nigeriana Dencia, gerou críticas por dois motivos principais: há o debate étnico sobre o desejo de mudar a cor da pele; e os riscos à saúde, já que a composição química do produto não foi divulgada com certidão.

De acordo com as propagandas do creme, o Whitenicious seria capaz de retirar a hiperpigmentação da pele, além de manchas escuras diversas, incluindo aquelas causadas por acnes, em sete dias. O produto é promovido na África por Dencia, que era negra, utilizou o cosmético em todo o corpo e apareceu em fotos com cútis muito mais clara.  

Em relação à formulação do produto, há poucas informações sobre os ativos utilizados na composição. Sabe que são usadas a aloe vera e as vitaminas C e E que, juntas, permitem a despigmentação cutânea de um modo não agressivo, de acordo com o fabricante.

No Brasil, especialistas criticaram o produto e apontaram a possibilidade de causar câncer. O motivo é o uso excessivo da vitamina C, que pode provocar a doença na pele. Além disso, a substância não seria eficaz, já que agiria muito mais na prevenção de manchas do que em um clareamento propriamente dito.

A grande hipótese dos especialistas é de que a quantidade de hidroquinona, uma substância responsável pelo clareamento da pele, que trabalha matando as células responsáveis pela produção de melanina no corpo - usada na composição esteja acima do limite permitido.

Mudou de cor O fato é que Dencia apareceu em fotos muito diferente. Assim, se a fórmula oficial parece incapaz de clarear, cogita-se que a artista tenha usado algum ‘ingrediente secreto’, não divulgado. Isso porque, de acordo com a literatura da área, o efeito radical só poderia ser visto com o emprego de substâncias que agridem a pele excessivamente e, portanto, podem causar câncer.

Calada é uma poeta Dencia não teria mudado a cor da pele à toa. Segundo ela, a questão social pesou muito: com o cosmético seria possível proporcionar bem-estar maior às usuárias, pois uma vez que a cútis é clareada, elas passam a não sofrer mais com o racismo. No site oficial da artista há um artigo que informa sobre a opinião de Dencia. Para ela, a contínua marginalização dos descendentes africanos no mercado mundial de produtos de beleza a levaram à inspiração do produto.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave