Imóveis em BH chegam a custar mais caro que mansão na Europa

A reportagem de O TEMPO encontrou um apartamento no bairro de Lourdes que está à venda por R$ 15 milhões, mais caro do que a mansão que pertenceu à atriz e lady inglesa Vivien Leigh

iG Minas Gerais | Bruna Carmona |

A casa, de cinco pavimentos, tem 11 banheiros
Valore Imóveis/Reprodução/Internet
A casa, de cinco pavimentos, tem 11 banheiros

Em abril deste ano, a mansão onde viveu a atriz Vivien Leigh, famosa pelo filme “E o vento levou…”, foi colocada à venda pelo equivalente a R$ 13,2 milhões.

Localizada em um bairro afastado de Londres, mais perto do campo, o imóvel tem cinco quartos, amplo jardim e uma vista primorosa. Nos anos 60, quando morou na mansão, Vivien recebeu inúmeras personalidades, como a princesa Margaret e o presidente americano Winston Churchill.

Mas não é preciso ir tão longe para encontrar mansões por preços de cinema. Fazendo uma pesquisa em imobiliárias de Belo Horizonte, a reportagem de O TEMPO encontrou uma casa com cinco pavimentos, cinco quartos e 11 banheiros vendida por R$ 11,5 milhões, no bairro Cidade Jardim, na região Centro-Sul. Com área útil de 1.700 m² e garagem para seis carros, o imóvel tem piscina, sala de projeção, sistema de segurança automatizado e até elevador. O valor do IPTU: modestos R$ 30 mil.

De acordo com o presidente da Câmara Mercado Imobiliário/Secovi-MG, Otimar Bicalho, os itens que influenciam no valor de um imóvel variam muito. "A casa não é um produto que você compara com muita facilidade, é muito característico. Quem procura uma casa, quer ter espaço, piscina, churrasqueira e quer ter vista e quer também um lugar seguro”, explica.

E os apartamentos não ficam atrás nesta conta. A pesquisa de O TEMPO encontrou uma cobertura, no bairro de Lourdes, que está à venda por R$ 15 milhões. Com quatro quartos, quatro suítes e oito vagas na garagem, o apartamento fica em um prédio com piscina, sauna e sala de ginástica.

De acordo com Bicalho, no caso dos apartamentos, três fatores influenciam o valor: o imóvel em si, o prédio e a localização. Se apartamento for bom, mas o prédio estiver velho ou tiver registro de desentendimento entre vizinhos, isso pode desvalorizar. Ainda segundo Bicalho, a área localizada entre o Diamond Mall e o Minas tênis Clube I é, hoje, a mais cara de Belo Horizonte.

Entre as regiões mais valorizadas também estão os bairros de Lourdes, Funcionários, Belvedere e Mangabeiras, onde o preço do metro quadrado fica em torno de R$ 14 mil.

Leia tudo sobre: casasapartamentopreçomansãoeuropabelo horizonte