Médicos de Belo Horizonte cruzam os braços por 48 horas

Profissionais pedem reajuste salarial e melhores condições de trabalho; em Contagem, médicos ficarão paralisados por 24 horas

iG Minas Gerais | Bruna Carmona |

Os médicos que trabalham em unidades de saúde de Belo Horizonte decidiram paralisar as atividades por 48 horas a partir desta terça-feira (27), para reivindicar reajuste salarial e melhores condições de trabalho. A decisão foi tomada em assembleia geral extraordinária (AGE), no sindicato da categoria, no dia 21 de maio.

De acordo com Sindicato dos Médicos de Minas Gerais (Sinmed-MG), a orientação é para que só sejam atendidos os casos de urgências e emergência (fichas vermelhas, laranjas e amarelas) nas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs). Nas unidades básicas de saúde, onde são realizados apenas procedimentos eletivos, as atividades foram completamente interrompidas.

A paralisação, que é a terceira da categoria no mês de maio, deve durar até a manhã de quinta-feira (29), quando os médicos farão nova assembleia para decidir quais os próximos passos na campanha para reivindicar melhorias. No primeiro dia de paralisação, de acordo com o Sinmed, a adesão foi de 85%.

Os profissionais pedem redimensionamento das áreas que são de responsabilidade das Equipes de Saúde da Família, já que segundo o sindicato, muitas delas contam com mais de 4 mil pessoas quando o ideal seriam 2 mil, além de melhorias na estrutura das unidades, abastecimento adequado de medicamentos, melhoria dos equipamentos, mais segurança e equipes completas. Os médicos também pedem a realização de concurso público imediato para preenchimento de todas as vagas ocupadas por médicos não concursados.

No item salarial, os profissionais pedem recomposição dos vencimentos básicos com o índice de 35%, de forma que o salário atinja o mesmo valor pago aos médicos do programa “Mais Médicos”, que recebem hoje bolsa de R$ 10.475, mais ajuda de custo de R$ 1.500. Segundo a categoria, a valorização salarial e a melhoria das condições de trabalho são essenciais para evitar a evasão dos profissionais e atrair novos médicos para a rede.

A Prefeitura de Belo Horizonte foi procurada pela reportagem de O TEMPO e informou que vai divulgar o balanço das unidades de saúde afetadas pela paralisação ainda na tarde desta terça-feira.

Contagem

De acordo com o Sinmed, médicos que trabalham em unidades de saúde de Contagem também paralisaram suas atividades. O ato deve durar 24 horas e uma assembleia para definir as próximas ações está marcada para a noite desta terça-feira.

A Prefeitura de Contagem foi procurada pela reportagem e vai informar a situação das unidades de saúde na cidade até o fim da tarde.

Leia tudo sobre: paralisaçãomédicossaúdebelo horizontecontagem