COB diz que já gastou R$ 200 mil com Lais em Miami

Comitê divulgou nota com as despesas que teve com o tratamento da ex-ginasta nesses quatros meses após o acidente de esqui

iG Minas Gerais | AGÊNCIA ESTADO |

Lais Souza segue focada na sua rotina diária que visa a recuperação do grave acidente que sofreu em janeiro
COB/REPRODUÇÃO
Lais Souza segue focada na sua rotina diária que visa a recuperação do grave acidente que sofreu em janeiro

Um dia antes de a recuperação de Lais Souza ser abordada pela Comissão de Esporte da Câmara dos Deputados, o Comitê Olímpico Brasileiro (COB) emitiu nota nesta terça-feira para reafirmar o seu suporte às necessidades da atleta, que sofreu grave acidente enquanto esquiava em Salt Lake City (EUA), em janeiro, treinando para os Jogos Olímpicos de Inverno, e segue internada em um hospital de Miami.

De acordo com o COB, a entidade já investiu cerca de R$ 200 mil na estrutura logística em Miami, o que inclui passagens aéreas para familiares da atleta e hospedagem e alimentação para a mãe de Lais, Odete Souza, e a fisioterapeuta Denise Lessio. Esta também foi incluída na equipe multidisciplinar que acompanha as atletas do revezamento 4x100m livre, que treina na Universidade de Miami.

O COB ainda ressalta que Lais Souza também recebe ajuda de custo da CBDN (Confederação Brasileira de Desportos na Neve) no valor de R$ 5 mil mensais. Até então, nenhuma das duas entidades havia divulgado esses valores.

"Desde o primeiro momento que o COB foi acionado, logo após o acidente, nossa preocupação tem sido proporcionar as melhores condições possíveis para ela e seus familiares. E assim seguiremos, com a ajuda de parceiros, amigos e patrocinadores que têm nos apoiado nessa caminhada", afirma o diretor executivo de esportes do COB, Marcus Vinícius Freire.

O COB tenta se redimir pelas críticas recebidas quando foi lançada uma campanha para a arrecadação de fundos para ajudar Laís. Na ocasião, descobriu-se que o seguro de vida que o COB contrata para os atletas não cobre treinos, apenas competições. Assim, foi necessária uma vaquinha virtual para que Laís ganhasse uma cadeira de rodas elétrica.

"Ela está sendo tratada com base nos maiores avanços científicos e de protocolos nessa área. O suporte que Laís está recebendo não tem precedentes. Ainda há um longo caminho a ser percorrido, mas ela está consciente do desafio e determinada a enfrentar a nova vida", garante Antonio Marttos, médico que acompanha Lais desde o dia seguinte após o acidente.  

Leia tudo sobre: lais souzacobdespesagastotratamentoacidente