Síndrome do intestino irritável pode ser desencadeada por estresse

Patologia caracterizada por desconforto abdominal e problemas de evacuação pode ser gerada por fortes mudanças emocionais, que atuam no desempenho do sistema nervoso autônomo e contraem o intestino

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

DIVULGAÇÃO / DECA
undefined

Você sabia que dores frequentes no abdome podem significar síndrome do intestino irritável? O mal, que ocorre junto do aumento da frequência diária de evacuações, é um distúrbio funcional que não tem causa definida, porém o estresse e a ansiedade podem ser agravantes da síndrome.

As mudanças emocionais influenciam na patologia pois o cólon – responsável por tornar as fezes consistentes – é ligado diretamente ao cérebro por meio do sistema nervoso autônomo. Esses nervos se tornam mais ativos em momentos de estresse e podem fazer com que o intestino seja contraído, gerando as dores.

“Além das cólicas abdominais, pessoas com intestino irritável podem ter diarreia com muco alternada com prisão de ventre, sensação de estômago estufado, náusea, má digestão e flatulência excessiva”, revela Luciano Sponchiado, médico coloproctologista da Unimed Costa Oeste, no Paraná.

O diagnóstico da síndrome de intestino irritável é feito por meio do relato dos sintomas ao médico, que irá levar em consideração a idade do paciente e o histórico familiar de câncer do intestino. “Neste caso a avaliação pode ser feita com a colonoscopia, um exame que verifica por vídeo o intestino grosso”, explica.

Como é o tratamento A possibilidade de fatores psicológicos estarem fortemente relacionados do mal faz com que o tratamento seja feito com equipe multidisciplinar, com psicólogas, nutricionistas e médicos psiquiatras para o controle emocional, porém um diário alimentar pode apontar se algum tipo de alimento desencadeia a irritação intestinal.

“Grande parte dos pacientes melhoram com tratamentos para controle emocional e dieta observada, mas há casos em que medicamentos para tratar diarreia, constipação e dor abdominal podem ser ministrados”, finaliza Sponchiado.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave