Polícia Militar quer falar a ‘mesma língua’ dos turistas

iG Minas Gerais |

LEO FONTES / O TEMPO
undefined

Quando um turista está em perigo, perdido ou simplesmente em busca de informações, a primeira pessoa que normalmente ele procura é um homem de farda. Diante dessa tendência – e para conseguir atender os visitantes –, a Polícia Militar de Minas Gerais terá três cabines com tradutores que darão suporte telefônico ao efetivo nas ruas.

A partir do dia 12 de junho, ao ser abordado por um turista, o PM que não souber outra língua deve, primeiramente, ser solícito e, em caso de não compreender o torcedor, ligar para a central, que ficará instalada na Academia de Polícia Militar (APM), no Prado, na região Oeste da capital. Os tradutores são militares com fluência em inglês e espanhol. Estuda-se ainda a utilização de tradutores de francês, dependendo da demanda para o jogo entre Bélgica e Argélia.

“É uma iniciativa para facilitar o trabalho do policial que, às vezes, fica em situação difícil”, destaca o comandante do Batalhão Copa, tenente-coronel Hércules de Paula Freitas. As cabines funcionarão das 7h às 23h, em turnos alternados.

Essa é apenas uma das atribuições do Batalhão Copa – formado por 2.875 acadêmicos militares –, que terá a função de atuar no Mineirão e nas proximidades, além de pontos turísticos, hotéis, centros de treinamento e terminais de transporte, entre outros espaços (veja abaixo como fica a divisão por companhias).

Os policiais – que iniciaram ontem os treinamentos práticos no Mineirão e começam a atuar em 12 de junho – só serão recrutados para a atuação em manifestações populares em casos extremos. “O Batalhão Copa vai atuar de maneira suplementar. Em determinadas circunstâncias, se necessário, ele será hipotecado às duas grandes forças de segurança”, explicou o comandante geral da PM, coronel Márcio Sant’Ana.

Durante o Mundial, haverá a Primeira Força Pública, de responsabilidade do Comando de Policiamento da Capital (CPC), que agirá em áreas de interesse diretas do evento, como o Mineirão, e a Segunda Força Pública, a cargo do Comando de Policiamento Especializado (CPE), que toma conta da cidade em si e de possíveis manifestações. O efetivo total para a Copa será de 12.185 policiais.

Durante a Copa

Thiago Nogueira

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave