'A Copa fora de campo não é assunto nosso', diz Felipão

Para treinador brasileiro, seleção deve se preocupar apenas como as condições de dentro dos estádios de futebol

iG Minas Gerais | AGÊNCIA ESTADO |

Felipão usou o amistoso contra Zâmbia para promover vários testes
Divulgação/CBF
Felipão usou o amistoso contra Zâmbia para promover vários testes

Felipão agendou dois compromissos na sexta-feira, dois dias antes de embarcar para Teresópolis, no Rio - ele chegou domingo à Granja Comary: a entrevista que segue ao jornal O Estado de S. Paulo e uma passadinha no dentista, que atrasou alguns minutos. Feliz e aparentemente com a seleção nas mãos, o treinador do Brasil deu um panorama do que planejou para o time nesta Copa, e pelo que mostrou, apenas o futebol dentro de campo poderá ser improvisado.

O treinador e sua equipe pensaram em todos os detalhes para colocar o Brasil no caminho do hexa. Até mesmo uma projeção de rivais indigestos, como Holanda, Itália, Alemanha e Argentina já foi desenhada. A seguir, em tópicos, a entrevista de Felipão, publicada nesta segunda-feira, na qual, entre outras coisas, ele enfatizou que os problemas ocorridos fora de campo na preparação do Brasil para o Mundial não podem atrapalhar e não são de responsabilidade da seleção.

REPARATIVOS DO PAÍS PARA A COPA - Estádio tem. O estádio do Internacional (Beira-Rio) por dentro está espetacular. O entorno é uma situação que tem de saber o que o País prometeu. Entorno de estádio não é futebol. O que importa é o estádio estar inteiro. Vai entrar na Arena da Baixada... Vocês não viram o jogo do Corinthians (contra o Atlético-PR), um evento-teste? A bola corre bonito, o estádio está bom. É isso o que importa para mim. Por exemplo: há quantos anos não se fazia uma obra no aeroporto de Guarulhos? Há 20 anos que não se fazia uma obra lá. Então, vão dizer que a Copa é responsável por tudo no Brasil? Os caras estão cobrando coisas que não são da Copa. Agora, se o gramado é ruim ou se não tem trave ou se a água do chuveiro é fria, aí sim tem a ver com o futebol.

CLIMA FRIO DE PRÉ-COPA - A ideia que foi vendida é que a Copa mudaria o País. O próprio Ronaldo falou isso... O Ronaldo se expressou de forma correta, só que não foi analisado dessa forma. Ele não quis dizer que o campo não permitia que se fizessem mais hospitais. Ele disse que para jogar a Copa tem de ter campo. Só isso. Vai da interpretação de cada um. O que foi vendido foi a ideia de que tudo seria solucionado. Não é verdade. Há 20 anos que não se fazia uma garagem lá em Guarulhos (no aeroporto de Cumbica). Agora fizeram. (Sexta-feira, Ronaldo, que é membro do Comitê Organizador Local, voltou a se manifestar dizendo que sentia vergonha dos atrasos do Brasil na Copa).

COPA DENTRO E FORA DE CAMPO - A Copa dentro de campo está bem administrada. A Copa fora de campo não é assunto nosso, da seleção ou da CBF. Você vai me dizer: "Ah, Felipão! Você não é um cidadão?" Sou um cidadão sim, só que tenho de pensar que se eu posso me manifestar, será depois da Copa. Quando eu sair da Copa, encerrar meus compromissos, eu posso dizer: gostei ou não gostei. E no dia 5 de outubro (dia das eleições) expressar isso nas urnas.

PROTESTOS CHEGAM AO VESTIÁRIO? - Não chega. Os jogadores comentam, e têm liberdade para comentar. Eu deixo à vontade. Mas só estão liberadas algumas manifestações que queiram fazer por meio de seus Twitters, Instagrans, não sei o que mais... E cada um assume o que escreve. Agora, uma ideia da CBF parte de quê? De que ele é jogador de futebol brasileiro defendendo a seleção do País. Pode se manifestar, mas não é opinião da CBF. É opinião pessoal do jogador. E que ele assuma a responsabilidade disso. Eles sabem disso. Foi passado a eles dessa forma, desde a Copa das Confederações. Todo mundo tem liberdade. Só que quando pisar na CBF... ele está dando sua opinião particular, não do time.

RIVAIS - Por mim, eu não gostaria de jogar contra o Chile. Embora a estatística mostre que o Brasil com o Chile ganha sempre, eu não gostaria. Holanda? Ouvi hoje que o Van Pierse está se recuperando... Com a Holanda é o contrário. A nossa história contra a Holanda não está muito bem resolvida (a seleção brasileira foi eliminada na África do Sul pela Holanda, após derrota de 2 a 1 com falhas de Julio Cesar e Felipe Melo). A Holanda tem bons jogadores de bola parada. Tem Van der Vart, aí pode ser a bola parada (a decidir). Mas eles não têm jogadores que definem tanto com a bola rolando.