Interpretação não era um sonho de infância de Juliana Silveira

iG Minas Gerais |

Ser atriz nunca fez parte dos sonhos de infância de Juliana Silveira. As oportunidades de investir na interpretação simplesmente foram surgindo desde que trabalhou como assistente de palco do “Clube da Criança”, em 1992. Ela, inclusive, sempre imaginou que, um dia, se bem entendesse, poderia largar tudo e cursar uma faculdade. Até que foi chamada para protagonizar “Floribella”, na Bandeirantes, em 2005.

Tratava-se de um projeto ousado, em que Juliana precisaria, além de atuar, dançar, cantar e fazer shows pelo Brasil. “Quando as coisas começaram a dar certo e eu percebi que dava conta de fazer aquilo tudo, vi que tinha vocação. Até então, ainda tinha dúvida”, confessa.

Já faz quase dez anos desde o fim de “Floribella”. Mesmo com o passar do tempo, Juliana ainda se depara com fãs da época. E se diverte ao ser lembrada pela personagem nas ruas. “Tem fã grande de 16 anos que na época tinha apenas 6. Algumas pessoas que gostavam da novela falam: ‘Olha a Floribella, ela está mais velha’”, conta Juliana Silveira, aos risos. (LB)

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave