Anac vai limitar pouso de aviões executivos durante Copa

Diretor mencionou que a Alemanha e a África do Sul tiveram problemas de espaço para comportar a demanda da aviação geral durante as Copas de 2006 e 2010, respectivamente

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

O diretor-presidente da Agência Nacional de Aviação Civil, Marcelo Guaranys, disse nesta sexta-feira (23), que mais de 1.000 servidores vão atuar na fiscalização dos aeroportos do País durante a Copa do Mundo, principalmente naqueles que recebem grande demanda de jatos executivos (aviação geral). Ele afirmou que é imprevisível o número de aviões executivos que vão buscar as pistas de aeroportos brasileiros durante o mundial, mas disse que vai limitar as autorizações de pousos e decolagens às janelas (slots) disponíveis no espaço aéreo local.

"É imprevisível", disse, sobre o movimento da aviação geral. Ele mencionou que a Alemanha e a África do Sul tiveram problemas de espaço para comportar a demanda da aviação geral durante as Copas de 2006 e 2010, respectivamente. "Mas só vai poder pousar com slot disponível. A segurança está em primeiro lugar", afirmou Guaranys, após palestra no seminário Infraestrutura de Transporte, Investimento e Regulação no Brasil, realizado pela Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústria de Base (Abdib), na capital paulista.

O diretor da Anac disse que a agência atua em duas vertentes para a Copa do Mundo, a fiscalização sobre as concessões aeroportuárias e o planejamento aéreo durante o evento. "Estamos monitorando 88 aeroportos dentro da estrutura da Copa", contou. Sobre o Aeroporto de São Gonçalo do Amarante, sob administração da iniciativa privada, Guaranys afirmou que ele será inaugurado no próximo dia 31 todo pronto, inclusive com as vias de acesso.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave