Valcke reforça importância de segundo teste no Itaquerão

Para secretário-geral da Fifa, fato de o estádio ser o palco da abertura exige melhor nível de serviço e de segurança

iG Minas Gerais | AGÊNCIA ESTADO |

Valcke exaltou a competição e afirmou que a Fifa está fazendo coisas boas para o Brasil
AGÊNCIA NACIONAL/DIVULGAÇÃO
Valcke exaltou a competição e afirmou que a Fifa está fazendo coisas boas para o Brasil

O secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, reforçou nesta sexta-feira a importância do segundo teste que será realizado no Itaquerão, estádio de São Paulo na Copa do Mundo. O novo evento-teste está marcado para o dia 1º de junho, entre Corinthians e Botafogo, válido pelo Brasileirão.

De acordo com Valcke, o teste é necessário por se tratar da arena que sediará a abertura do Mundial. "Se não fosse o Itaquerão o local do jogo de abertura, talvez não fosse necessário", explicou o dirigente, em uma mesa-redonda com jornalistas num hotel de Copacabana, no Rio de Janeiro.

"É mais para o Brasil do que para a Fifa, pois todo o mundo vai estar de olho no País. E que as pessoas possam dizer, depois, que espetáculo maravilhoso", reforçou Valcke, que admitiu estar mais preocupado com o jogo de abertura do que com as demais partidas da Copa. "Passando pelo primeiro teste, os outros 63 jogos vão ser fáceis".

A decisão por um segundo jogo-teste surpreendeu porque a Fifa não costuma ceder os estádios para estes eventos depois que assume a administração do local. O Itaquerão passou a ser gerido pela entidade - provisoriamente, até o fim da Copa - nesta semana.

Valcke justificou a decisão por conta do resultado insatisfatório no primeiro evento, no jogo entre Corinthians e Figueirense, domingo passado. "A Fifa não ficou satisfeita com o nível de serviço e de segurança. Por isso, chegamos à conclusão de um segundo evento-teste", disse o secretário-geral.

Também presente na mesa-redonda, Ricardo Trade, diretor executivo do Comitê Organizador Local da Copa (COL), disse ter aprovado o primeiro evento. Mas admitiu a necessidade de testar as arquibancadas provisórias, que receberão 20 mil torcedores em cada um dos seis jogos do Itaquerão no Mundial. "Foi um bom teste, mas é necessário testar as arquibancadas provisórias", afirmou.