Atlético mostra força coletiva e vence o Vitória fora de casa

Sem suas principais estrelas, Galo faz bom jogo e abre vantagem no placar que permitiu o time controlar pressão no final da partida

iG Minas Gerais | BRUNO TRINDADE |

BA - BRASILEIRÃO/VITÓRIA X ATLÉTICO-MG - ESPORTES - Ayrton (D), do Vitória, disputa a bola com Alex Silva, do Atlético Mineiro, em partida   válida pela sexta rodada do Campeonato Brasileiro, no Estádio Joia da Princesa, em Feira   de Santana, nesta quinta-feira.   22/05/2014 - Foto: EDUARDO MARTINS/AGÊNCIA A TARDE/ESTADÃO CONTEÚDO
ESTADÃO CONTEÚDO
BA - BRASILEIRÃO/VITÓRIA X ATLÉTICO-MG - ESPORTES - Ayrton (D), do Vitória, disputa a bola com Alex Silva, do Atlético Mineiro, em partida válida pela sexta rodada do Campeonato Brasileiro, no Estádio Joia da Princesa, em Feira de Santana, nesta quinta-feira. 22/05/2014 - Foto: EDUARDO MARTINS/AGÊNCIA A TARDE/ESTADÃO CONTEÚDO

O Atlético conseguiu encontrar a força do seu elenco. Mesmo sem seus principais jogadores, o time se ajustou, conseguiu encaixar o sistema de jogo e está mostrando um nível de atuações muito melhor do que os titulares demonstraram até então. Com destaque para o jogo coletivo e para a bola aérea, o Galo venceu o Vitória com propriedade por 3 a 2, nesta noite, no estádio Joia da Princesa, em Feira de Santana (BA), pela sexta rodada do Campeonato Brasileiro. Dátolo, Alemão contra e Réver marcaram para os mineiros. Dinei e Willie diminuíram para os baianos. O tento do capitão o tornou o zagueiro que mais fez gols com a camisa alvinegra, 22, ultrapassando Luisinho, que tem 21.

O resultado trouxe a terceira vitória seguida dos atleticanos no Brasileirão, subindo para o sétimo lugar com 10 pontos, três a menos do que o líder Cruzeiro. Na próxima rodada, o atual campeão da Libertadores joga em Ipatinga contra o Criciúma, enquanto o Leão baiano joga fora contra o Botafogo.

Se nos dois últimos anos os times alvinegros tinham como grande tabu atuar e vencer fora de casa, a equipe comandada por Levir Culpi tem se mostrado bastante à vontade. Assim como foi contra o Santos, os mineiros tomaram a iniciativa da partida contra o Vitória e pressionaram desde o início, com marcação sob pressão e com a criação de muitas chances de gol. Só que, diferentemente do que contra os paulistas, os atletas do Galão não desperdiçaram tantas oportunidades.

A principal jogada do time preto e branco era pela ponta esquerda com Emerson Conceição, que apoiava com desenvoltura e fazia bons cruzamentos. E foi justamente pelo setor que o Galo abriu o marcador. Aos 11 min, o lateral-esquerdo cruzou, Dátolo se abaixou para cabecear no ângulo do goleiro Wilson.

Quatro minutos depois, o alvinegro ampliou. Dátolo cobrou escanteio, o zagueiro Alemão tentou cortar e fez contra. Com a vantagem, os mineiros jogavam com inteligência, sem ter a meta de Giovanni ameaçada e ainda levando perigo, principalmente nas jogadas de bola aérea. O atacante André chegou a marcar aos 21 min, porém o árbitro, corretamente, assinalou impedimento.

O alvinegro ainda teve uma ótima chance com Dátolo, aos 40 min, que recebeu de Marion e chutou por cobertura. A bola passou raspando a trave.

Na segunda etapa, os baianos vieram dispostos a tentar diminuir o placar. O alvinegro se fechou, apostando nos contra-ataques. Com o confronto equilibrado, a jogada aérea desequilibrou outra vez para os visitantes. Aos 16 min, Dátolo deu mais uma assistência, desta vez para Réver, que fez de cabeça.

Três minutos depois, após falha de Edcarlos, Dinei diminuiu. O que era tranquilo ficou dramático. O Atlético recuou demais, passou a dar espaços, e os baianos diminuíram, com Willie, aos 44 min. Mas o Galo conseguiu se segurar e garantir os três pontos. Vitória 2 x 3 Atlético

Motivo: Sexta rodada do Campeonato Brasileiro Estádio: Joia da Princesa – Feira de Santana (BA) Árbitro: Vinícius Furlan (SP) Gols: Dátolo e Réver (A); Alemão (contra), Dinei e Willie (V) Cartões amarelos: Ayrton e Alemão (V); Pierre e Marion (A) Público e renda: 2.439 pagantes / R$ 80.091,00

Vitória Wilson, Ayrton, Luiz Gustavo, Alemão e Tarracha (Euller); Neto Coruja, Josa e Léo Costa; Caio, Marquinhos (Willie) e Souza (Dinei). Técnico: Carlos Amadeu

Atlético Giovanni, Alex Silva, Edcarlos, Réver e Emerson Conceição; Pierre (Josué), Leandro Donizete, Dátolo (Rosinei), Marion (Carlos) e Fernandinho; André. Técnico: Levir Culpi

 

Leia tudo sobre: atleticogalovitoriabrasileiro