Familiares e amigos se reúnem em missa de sétimo dia do soldado André

Mãe do militar afirma que "se ele quisesse não precisaria se envolver na tentativa de assalto, já que ele não estava em horário de trabalho, porém, ele teria cumprido seu dever"

iG Minas Gerais | ALINE DINIZ |

Familiares, amigos e colegas de farda do soldado André Luiz Neves - morto ao tentar intervir um assalto na região da Pampulha, na sexta-feira (16) -  se reuniram, na noite desta quinta-feira (22), para a missa de sétimo dia do militar. A celebração foi realizada na igreja matriz da Paróquia Nossa Senhora da Divina Providência, localizada na avenida Expedicionário Benvindo Belém de Lima, no bairro São Luiz, na região da Pampulha.

Familiares do soldado lamentaram a perda, mas explicaram que ele estava cumprindo seu papel como cidadão. “Ele já tinha largado serviço e saiu para encontrar uma amiga. Se ele quisesse poderia não ter se envolvido na situação, mas ele cumpriu o seu dever”, afirmou a contabilista Elizabeth Lucas Neves, mãe do militar.

André Luiz Neves sempre conviveu com a família do pai, que em boa parte é formada por militares, e seria a partir daí que surgiu  o gosto pela profissão, contou a mãe do militar.  Ela também lembrou o lado “família” do filho. “Quando estava em casa, ele sempre brincava com os meninos. Meu filho era muito carinhoso, educado e prestativo”, relatou.

Também emocionado, o corregedor da Polícia Militar  (PM), coronel Renato Batista Carvalhais, afirma que toda despedida é muito sentida pela corporação. “A morte é uma perda muito grande, sendo sentida desde a morte de um soldado até a de um coronel”, declarou.

O coronel explicou que o comando geral da PM está trabalhando para melhorar a segurança dos policiais. Umas das medidas tomadas é a intensificação dos treinamentos e o aumentando no amparo a essas famílias. 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave