Essien diz que Gana pode ir além das quartas no Brasil

"Tudo pode acontecer, mas estamos com os pés no chão e sabemos que não podemos mirar tão alto desde o início", explicou o ganes

iG Minas Gerais | AGÊNCIA ESTADO |

CHELSEA/ DIVULGAÇÃO
undefined

Em 2010, na África do Sul, Gana se tornou apenas a terceira seleção africana na história das Copas a chegar às quartas de final - as outras foram Camarões, em 1990, e Senegal, em 2002. Quatro anos depois, o sonho do país é fazer história. Para o experiente volante Michael Essien, o time que disputará o Mundial no Brasil tem tudo para ir além e se tornar o primeiro do continente a chegar à semifinal, ou até à decisão.

"Nosso objetivo inicial é passar da fase de grupos e chegar ao mata-mata. Depois, vamos encarar um jogo de cada vez, e aí quem sabe? Certamente temos condições de fazer ainda melhor e avançar às semifinais ou até à final. Tudo pode acontecer, mas estamos com os pés no chão e sabemos que não podemos mirar tão alto desde o início. Após cumprirmos a meta inicial, veremos até onde podemos ir. Será uma aventura, sem dúvida nenhuma, e estamos ansiosos por ela", declarou.

O jogador de 31 anos é um dos mais experientes do elenco e tem no currículo passagens por clubes como Lyon, Chelsea, Real Madrid e Milan, onde jogou na última temporada. A seleção ganesa aliás, mescla nomes famosos, como os de Mensah, Muntari, Kevin-Prince Boateng e Asamoah Gyan, com algumas jovens valores. Para Essien, o grupo é forte e tem no meio de campo sua principal arma.

"O grupo que estamos levando para o torneio é o melhor possível. Nossa força está no elenco, que tem muita qualidade, especialmente no meio de campo. Temos várias alternativas na maioria das posições, o que é sempre uma vantagem para qualquer equipe", comentou.

A seleção ganesa está no Grupo G da Copa do Mundo, ao lado de Alemanha, Portugal e Estados Unidos. A estreia, aliás, será justamente diante dos norte-americanos, no dia 16 de junho, na Arena das Dunas, em Natal.

Leia tudo sobre: copa do mundoganaessienquartasfinaláfricaseleção africanaasamoah gyan