Inativos que não querem trabalhar aumentam 5,7%, diz IBGE

"São pessoas que estão na ponta da distribuição etária bem jovens e mais velhas, acima de 60 anos de idade e abaixo de 18 anos" diz a técnica da Coordenação de Trabalho

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

As seis principais regiões metropolitanas do País já possuem 17 374 milhões de pessoas que não procuram emprego porque não querem trabalhar, um aumento de 5,7% em relação a abril do ano anterior, segundo os dados da Pesquisa Mensal de Emprego divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O montante representa 90,52% da população inativa, que ficou em 19,194 milhões de pessoas em abril.

"Está aumentando o total de pessoas que não gostariam de trabalhar. São pessoas que estão na ponta da distribuição etária bem jovens e mais velhas, acima de 60 anos de idade e abaixo de 18 anos. No que diz respeito a gênero, são, sobretudo, mulheres. Você tem tanto pessoas de baixa escolaridade, como pessoas que têm ensino médio, e até nível superior", apontou Adriana Araújo Beringuy, técnica da Coordenação de Trabalho e Rendimento do IBGE.

Segundo Adriana, a pesquisa não aponta os motivos específicos do aumento no número de pessoas que não querem trabalhar, mas é possível inferir que possa haver influência do aumento do rendimento médio da população, que permite que alguns membros da família não precisem arrumar um emprego para complementar a renda domiciliar.

Esse grupo específico de inativos corresponde àquelas pessoas que não trabalharam nos últimos 365 dias nem procuraram emprego nesse período. "Não necessariamente são pessoas que nunca trabalharam", atentou a técnica do IBGE. "Esse movimento está mais ou menos difundido, mas porcentuais mais robustos estão no Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte e um pouco de Porto Alegre. Essas regiões são as que de fato têm os maiores rendimentos médios", contou Adriana.

Em São Paulo, o número de pessoas que não procuraram emprego porque não queriam trabalhar cresceu de 6,457 milhões em abril de 2013 para 6,769 milhões em abril de 2014, o equivalente a 92% dos inativos da região metropolitana. No Rio de Janeiro, esse grupo somava 4,476 milhões em abril do ano passado e passou a 4 717 milhões em abril deste ano, alcançando 94% dos inativos do local. Em Belo Horizonte, o total de pessoas que não trabalhava por falta de interesse era de 1,615 milhão em abril de 2013 passando a 1,774 milhão em abril último, 88,4% dos inativos.

Em Porto Alegre, eles somavam 1,369 milhão e passaram a 1,421 milhão, o equivalente a 92% dos inativos. Em Salvador, o grupo cresceu de 1,229 milhão para 1,308 milhão em um ano; enquanto, no Recife, passou de 1,287 milhão para 1,381 milhão. De acordo com Adriana, a população inativa no País apresentou um ritmo maior de aumento a partir de setembro do ano passado.  

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave