'O time parou, é difícil de explicar', afirma Muricy

São Paulo saiu na frente no placar, mas no segundo tempo tomou a virada e teve muitos problemas com a defesa

iG Minas Gerais | AGÊNCIA ESTADO |

Fluminense voltou muito ofensivo para o segundo tempo e infernizou defesa do São Paulo
NELSON PEREZ/FLUMINENSE
Fluminense voltou muito ofensivo para o segundo tempo e infernizou defesa do São Paulo

A goleada de 5 a 2 aplicada pelo Fluminense sobre o São Paulo, no Maracanã, na noite desta quarta-feira, surpreendeu pelo resultado elástico e também o técnico Muricy Ramalho. Após a partida válida pela sexta rodada do Campeonato Brasileiro, o treinador destacou que o time paulista fez um grande primeiro tempo, mas "parou" na etapa final e acabou dominado.

"É difícil explicar, o jogo estava realmente todo a nosso favor no primeiro tempo, a gente dominou a saída de bola, mas no segundo mudou tudo. É difícil, tem coisas no futebol que não tem condições de explicar", declarou. "Voltamos com o pensamento de não deixar jogar, porque eles estavam com dificuldades para sair jogando. Mas o Fluminense no segundo tempo com certeza mereceu a vitória. O time parou, não sei o que aconteceu, e o Fluminense tomou conta", avaliou o técnico.

Apesar dos cinco gols sofridos, Muricy procurou não tecer críticas ao setor defensivo. "Às vezes a defesa começa na frente. É difícil ficar falando dos jogadores (de defesa), são jovens. Não adianta ficar colocando a culpa num ou no outro, não seria justo", defendeu.

O técnico disse ainda que o cartão amarelo que o atacante Luis Fabiano levou no fim do primeiro tempo atrapalhou o rendimento ofensivo da equipe são-paulina. "O cartão que o Luis tomou deixou ele um pouco receoso na etapa final", afirmou.

A advertência aplicada aos 46 minutos do primeiro tempo irritou o atacante, que foi para o intervalo reclamando da arbitragem do catarinense Paulo Henrique de Godoy Bezerra. "Não sei por que o amarelo. Eu fiquei olhando para ele e ele olhando para mim. O juiz está querendo me expulsar desde o começo. Quando estou errado, eu assumo. Mas dessa vez a culpa é dele, que quer me dar vermelho", reclamou. O jogador acabou substituído por Boschilia aos 32 minutos da etapa final.

Leia tudo sobre: muricygoleadasão paulofluminensemaracanãluís fabianobrasileirãosérie acartão amarelodefesa