Brasileiro trabalha 5 meses e um dia só para pagar imposto

Em 1986, eram 82 dias; empresários vendem hoje produtos sem tributos para alertar população

iG Minas Gerais | Juliana Gontijo |

Adesão. Cristiano Consentino, dono de papelaria, vende hoje produtos mais baratos sem imposto
DENILTON DIAS / O TEMPO
Adesão. Cristiano Consentino, dono de papelaria, vende hoje produtos mais baratos sem imposto

Num país onde o contribuinte trabalha cinco meses e um dia para pagar tributos, hoje será dia de um pequeno alívio no bolso. É que a Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL-BH) está coordenando a 8ª edição do Dia da Liberdade de Impostos, que acontece hoje na capital, além de Brasília, Manaus (AM), Vitória, Caxias do Sul (RS), Brusque (SC), Chapecó (SC), Santa Rosa do Sul (SC), Lages (SC) e Resende (RJ).

O presidente da CDL-BH, Bruno Falci, disse que diversos produtos e serviços serão comercializados sem o imposto para o consumidor ter a ideia de quanto é a mordida do governo. Refeições, cerveja, gasolina, toalha, roupas, chinelo e até escova de dentes serão vendidos sem nenhuma carga tributária. E os preços chegam a ficar pela metade. E a indignação dos empresários não é para menos. Afinal, segundo levantamento do Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT), divulgado ontem, o brasileiro vai trabalhar um dia a mais para pagar tributos em 2014 na comparação com o ano anterior. Serão 151 dias ou cinco meses e um dia, enquanto que em 2013 foram 150 dias. Pode parecer pouco, mas há dez anos eram necessários 138 dias ou quatro meses e 18 dias. Em 1986, o contribuinte do país trabalhava menos para pagar tributos: eram 82 dias ou 2 meses e 22 dias. “Hoje, diante da sede arrecadatória do governo, a tendência é de aumento do número de dias trabalhados para o pagamento de tributos”, observa o presidente-executivo do IBPT, João Eloi Olenike. Na comparação com a década de 1970, hoje se trabalha o dobro, só para pagar os tributos. Além de mais tempo de trabalho, neste ano uma parcela maior da renda do contribuinte ficará comprometida com os tributos. Conforme Olenike, o brasileiro deverá destinar 41,37% do seu rendimento bruto para pagar os tributos, enquanto que no ano passado ficou em 41,10%.” O executivo frisa que a quantidade de dias trabalhados no Brasil quase alcança a Noruega, país em que o cidadão destina 154 dias de trabalho, mas obtém qualidade de vida superior. “Se incluirmos os gastos em saúde, educação e outros serviços particulares, o brasileiro destinará uma parcela ainda maior de seus rendimentos para compensar a ineficiência do governo”, diz. Estudo do IBPT divulgado em abril deste ano mostrou que, pela quinta pesquisa seguida, o Brasil ficou na última posição do ranking de retorno de tributos à população. O estudo comparou 30 países e verificou o bem-estar da população, medido pelo Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), em relação à carga tributária – proporção dos tributos sobre o Produto Interno Bruto (PIB, soma das riquezas produzidas no país). O país ficou em 30º, atrás de vizinhos como Uruguai (13º) e Argentina (24º). O presidente da CDL-BH concorda com a pesquisa. Para ele, o Brasil tem carga tributária de primeiro mundo e condição social de país atrasado. “O problema é que não temos retorno do que é pago”, diz. O professor de administração tributária do Ibmec Minas, Anderson Loyola Dumas, disse que a defasagem da tabela do Imposto de Renda contribui para que o brasileiro pague mais imposto. Segundo o Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal, a tabela tem defasagem acumulada de 61,42% desde 1996.

Clientes são avisados por e-mail As papelarias Mixpel e Big Z são algumas das empresas que estão comercializando itens sem impostos. Ontem, o sócio das lojas Cristiano Consentino estava preparando o local para atender os consumidores. “Colocamos cartazes da CDL identificando os produtos e mandamos e-mail para os clientes cadastrados”, diz. No ano passado, ele conta que em apenas um único dia chegou a vender 65 mochilas. “É um produto que não costuma sair nesta época do ano”, frisa.

Alguns participantes Big Z - Rua Goiás, 258, centro, BH - Mochila com rodas da Hello Kitty de R$ 119,90 por R$ 72,39 (tributos: 39,62%) Mixpel - avenida do Contorno, 7446 - Lourdes, BH - Mouse sem fio, de R$ 39,90 por R$ 23,97 (tributos: 39,92%) - Maleta de pintura - de R$ 39,99 por R$ 25,99 (tributos: 34,99%) - Agenda escolar Pombo, de R$11,90 por R$ 6,76 (tributos: 43,19%). Posto Pica Pau - avenida do Contorno, 10.325, Barro Preto, BH - Gasolina, a R$ 1,842 o litro (sem imposto), redução de 36%. Desconto limitado a 34,74 litros por veículo. Ação limitada a 102 automóveis e 120 motocicletas. Das 9h às 19h. Porcão - rodízio para o almoço (das 12h às 15h), de R$ 97 por R$ 65,96 (tributo: 32%)

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave