Usuários reclamam que têm transtornos com a nova rotina

iG Minas Gerais | Luiza Muzzi |

Quem foi obrigado a mudar de rotina para se adaptar à estreia do Move da avenida Antônio Carlos continua insatisfeito com os transtornos. “Ficou péssimo. Saí de casa 20 minutos mais cedo, mas fiquei 40 minutos parada na avenida Portugal. Isso atrasa a vida da gente”, reclamou a atendente de telemarketing Carolina Moreira, 26. “A impressão que tenho é que estão correndo para melhorar da Pampulha ao centro para a Copa, enquanto lá para trás continua tudo ruim”.  

O saladeiro Leandro Antônio Alves, 39, também estava revoltado. “Isso é uma vergonha. São poucas catracas para muitos passageiros, e aí fica lotado na estação”, disse. Para ele, que vai diariamente à região dos hospitais, o ideal seria a criação de uma linha direta do Move. “Assim a gente evitaria o trânsito até o centro e não precisaria ir parando o tempo todo”, diz.

Na visão da atendente de telemarketing Gláucia Kelly, 28, o Move é nada mais que um “compactador de pessoas de luxo”. “Conheço cinco linhas que iam direto, e agora preciso pegar essa. Tive que acordar uma hora mais cedo e, mesmo largando o serviço às 14h30, não dá mais tempo de passar em casa antes da faculdade”, lamentou. 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave