Charme de época no drama britânico

iG Minas Gerais |

Menos tenso e mais tocante que os policiais dinamarqueses é “Call the Midwife”, drama britânico da BBC One baseado nas memórias de Jennifer Worth, na Londres dos anos 1950. Imagine ambientar os modernos “E.R.” ou “Grey’s Anatomy” numa cidade abalada pela II Guerra Mundial, num mundo em que a pílula anticoncepcional não havia sido inventada, fumar era bonito e morria-se por qualquer infecção. Pois é: a fórmula “ pacientes da semana + vidas pessoais das protagonistas” também é certeira nesta série.

A fotografia é belíssima, os cenários e figurinos são tão perfeitos que o espectador quase sente o fedor dos cortiços onde, muitas vezes, as parteiras “civis” e as freiras são obrigadas a levar seus serviços. Prepare-se para chorar, porque é quase impossível chegar ao fim sem ao menos um nó na garganta.

Peter Moffat criou “The Village”, também da BBC One, inspirado na vida de seu avô. Conta a história dos habitantes de uma vila pelo olhar de Bert Middleton, menino de 12 anos que se divide entre escola, trabalho com o pai e aulas secretas de natação com o irmão, e envelhece no decorrer do drama. Mistura ficção com fatos reais que aconteceram entre 1914 e 1920, como a Primeira Guerra Mundial, em episódios comoventes.

Vale conferir a também britânica “Broadchurch”, a grande vencedora da edição 2014 do Bafta TV, premiação da Academia Britânica de Artes Cinematográficas e Televisivas, estrelada por David Tennant. (IM)

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave