Cemig é a quarta que mais ressarce por causa de apagão

Em 2013, empresa devolveu R$ 24,2 milhões aos consumidores mineiros

iG Minas Gerais | Juliana Gontijo |

No escuro. Interrupção no fornecimento de energia está cada vez mais comum, diz Proteste
Guga Matos/jc imagem/15.1.2013
No escuro. Interrupção no fornecimento de energia está cada vez mais comum, diz Proteste

A Cemig está na lista das empresas que mais devolveram dinheiro ao cliente por interrupção no fornecimento de energia no ano passado, segundo relatório da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) divulgado nessa terça. Foram R$ 24,2 milhões, o que fez com que a estatal mineira ocupasse a quarta posição. Em 2012, a empresa também ficou na mesma colocação, porém com um valor ressarcido ainda maior: R$ 34,8 milhões. Em 2013, os consumidores de energia elétrica de todo o país receberam R$ 346 milhões em compensação por interrupções no fornecimento de energia, o valor é menor que o do ano anterior, quando somou R$ 437,8 milhões. O total de 2012 foi superior ao verificado em 2011, quando os consumidores receberam R$ 397,2 milhões.  

Mesmo com as devoluções, a empresa vem conseguindo crescimento dos resultados financeiros. No primeiro trimestre deste ano, a companhia aumentou a receita o suficiente para conseguir lucrar 44% a mais em relação ao ano anterior, alcançando a cifra de R$ 1,25 bilhão.

Para a advogada da Associação Brasileira de Defesa do Consumidor (Proteste) Tatiana Viola Queiroz, os números da Aneel não condizem com a realidade vivenciada pelo consumidor. “Nós pedimos a revisão dos indicadores de qualidade que, aliás, são de difícil compreensão. Eles são muito técnicos”, diz.

Além disso, ela afirma que os valores do ressarcimento são irrisórios. “A interrupção de energia pode prejudicar o consumidor de várias formas. Ele pode deixar de realizar um trabalho, pode perder alimentos e pode até mesmo ter um equipamento queimado. E o valor que é devolvido não é suficiente para resolver boa parte desses problemas”, disse.

Para ela, a suspensão do fornecimento ocorre em razão da falta de investimentos das empresas do setor. Procurada pela reportagem, a Cemig informou em nota que, em relação a 2012, houve uma redução significativa nos valores compensados e no número de compensações feitas pela empresa em 2013. “O resultado alcançado é o melhor dos últimos cinco anos e reflete os investimentos realizados pela Cemig, que, nesse período, totalizaram R$ 3,06 bilhões, aplicados na melhoria e manutenção das redes, linhas e subestações de distribuição em todo o Estado”, diz.

No escuro. Os brasileiros ficaram, em média, 18,27 horas sem luz em 2013, de acordo com a Aneel. O número ultrapassou o limite estipulado pela agência para o ano, que foi de 15,18 horas.

Leia tudo sobre: apagãoCemigressarcimento