Médicos da PBH iniciam paralisação de 48h e fazem ato público

Manifestação da categoria acontece nesta terça-feira (20) na avenida Nossa Senhora do Carmo, no Sion

iG Minas Gerais | JOSÉ VÍTOR CAMILO |

Os médicos da Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) fecham, nesta terça-feira (20), a avenida Nossa Senhora do Carmo, no bairro Sion, na região Centro-Sul de Belo Horizonte, em frente ao Chevrolet Hall. Segundo o Sindicato dos Médicos de Minas Gerais (Sinmed-MG), o ato público visa esclarecer à população que os profissionais deram início a paralisação de 48 horas, que começou às 7h,  em busca de melhorias para todos.

A paralisação, que dura até 7h de quinta-feira (22), tem várias reivindicações, entre elas protestar pelas más condições de trabalho, salários defasados e pela falta de estrutura para um atendimento digno para a população. A decisão foi tomada pela categoria no dia 13 de maio, durante assembleia geral extraordinária. O objetivo é ir às ruas para pedir uma saúde "padrão FIFA".

Nos próximos dois dias, todos os atendimentos eletivos nos postos de saúde estarão suspensos, mantendo apenas os casos de urgências (fichas vermelhas, laranjas e amarelas) nas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs). 

Esta já é a segunda paralisação dos médicos somente no mês de maio. A primeira delas, que durou 24h, aconteceu no dia 13, com adesão de cerca de 80% da categoria. Nesta quarta-feira (21) uma nova assembleia está marcada para as 14h ,na sede do Sinmed, na avenida do Contorno. O objetivo é avaliar as últimas negociações com a PBH e decidir as próximas ações. 

Conforme as informações do sindicato, desde fevereiro de 2014 foi enviada a pauta de reivindicações aos gestores, mas as reuniões entre os médicos e a prefeitura ainda não avançaram em relação as propostas, e por isso o movimento reivindicatório será intensificado.

Trânsito

Por se tratar de uma avenida bastante movimentada, é possível que o ato dos médicos gere retenções. Entretanto, segundo a empresa que administra o trânsito na capital, a BHTrans, ainda não há informações de retenções em decorrência do protesto. 

Leia tudo sobre: grevemunicipaismédicosupasunidades de saúdeemergência