Região Norte é a mais crítica devido à distância entre os municípios

iG Minas Gerais |

Se um incêndio ou um acidente grave ocorrer no extremo Norte do Estado, o socorro do Corpo de Bombeiros pode levar até quatro horas para chegar. As duas unidades da corporação que ficam em Montes Claros, na região, são responsáveis por atender a 51 municípios em um raio que ultrapassa 200 km. Dessa cidade até Taiobeiras, por exemplo, a distância é de mais de 240 km. Com caminhões pesados carregando água e equipamentos, a velocidade máxima dos veículos gira em torno de 50 km/h, segundo o capitão Frederico Pascoal.

Segundo ele, a região Norte de Minas é a mais crítica em relação à falta de estrutura do Corpo de Bombeiros. “Ela é a mais complicada, exatamente porque o número de municípios é menor e a distância entre eles, maior”, avalia.

Outro agravante é a BR–251, que corta o Norte de Minas até a Bahia e registra alto índice de acidentes. “É uma rodovia de pista simples e com tráfego intenso de caminhões. É muito comum termos ali vítimas presas às ferragens”, relata o sargento Kollek Pereira, que atua na 1ª Companhia de Montes Claros.

Divisão. Embora esteja presente em apenas 54 municípios mineiros, os maiores contam com mais de uma unidade, chamadas de pelotões e companhias. Belo Horizonte tem ao menos 11 postos, enquanto Uberlândia, no Triângulo Mineiro, tem cinco. Outras estruturas são ligadas a esses polos, mas ficam instaladas em municípios que concentram mais ocorrências.

Apesar das deficiências, o coordenador de Urgência e Emergência do Hospital de Pronto-Socorro João XXIII, na capital, Sílvio Grandinetti, diz que o sistema de socorro evoluiu muito nos últimos anos. “Os helicópteros dos bombeiros agilizaram muito o atendimento”, disse Grandinetti. (LC)

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave